Siga o DCO nas redes sociais

Negro alinhado ao Fascismo
“Vou seguir a linha de Alvim”: expurgo na Fundação Palmares
De volta a presidência da Fundação Palmares, o racista Sérgio Camargo demite diretoria e diz que vai atuar em alinhamento com os fascistas.
Negro alinhado ao Fascismo
“Vou seguir a linha de Alvim”: expurgo na Fundação Palmares
De volta a presidência da Fundação Palmares, o racista Sérgio Camargo demite diretoria e diz que vai atuar em alinhamento com os fascistas.
Sérgio Camargo e Bolsonaro. Foto: Facebook/Reprodução
Sérgio Camargo e Bolsonaro. Foto: Facebook/Reprodução

Na quarta-feira (26), Sérgio Nascimento Camargo, presidente da Fundação Palmares, telefonou para os diretores de departamento e exonerou toda a diretoria das áreas finalísticas. Segundo o Correio Braziliense, que traz informações dos funcionários demitidos, “ele próprio telefonou para os diretores de departamentos”. Às vésperas da posse da Secretaria Especial da Cultura que será da Regina Duarte, um funcionário afirmou que “ele corre para fazer tudo que pode contra os negros antes dela entrar”.

As fontes do Correio Braziliense aponta que Sérgio Camargo retirou dos cargos “negros com reconhecida trajetória em politicas públicas em prol da cultura afro-brasileira”. Por telefone ele argumentou que precisa “montar uma nova equipe de extrema direita”. “Vou seguir a linha de Alvim”, declarou aos diretores. Entre os demitidos estão os responsáveis pela Diretoria de Proteção Afro brasileira (DPA), Sionei Leão, Diretoria de Fomento e Proteção da Cultura Afro-brasileira (DEP), Clóvis André da Silva, e Centro Nacional de Informações e Referência da Cultura Negra (Cenirp) Kátia Martins.

Sérgio Camargo foi nomeado chefe da Fundação Palmares dia 27 de novembro de 2019, pela Secretaria de Cultura do Governo Federal na gestão de Roberto Alvim. Alvim foi demitido após citar em um video no You Tube dia 16 de janeiro de 2020 um discurso do nazista Joseph Goebbels e que Camargo agora diz ‘que vai seguir sua linha’.  Este, que considera que falar de racismo é “vitimismo” que é contra o dia da consciência negra e diz que Zumbi dos Palmares é um falso herói, entre outras barbaridades.

Camargo se apresenta como uma pessoa de direita, diz que ‘não há racismo no Brasil, e que a escravidão foi boa para os descendentes’. Ele atacou personalidades negras como Marielle Franco e a atriz Taís Araújo. Seu Irmão o musico e produtor Oswaldo de Camargo Filho, quando soube da nomeação de Sérgio para presidente da Fundação Palmares, escreveu em suas redes “tenho vergonha de ser irmão desse capitão do mato”.

Após uma série de polemicas, e repúdio do movimento negro, Camargo teve sua nomeação suspensa no dia 4 de dezembro, pelo juiz federal substituto Emanuel José Matias Guerra. No dia 12 de fevereiro, o presidente do Supremo Tribunal Federal, o ministro João Otavio Noronha, derrubou a liminar que suspendia a nomeação de Sérgio. No dia 19 de fevereiro a Defensoria Publica da União recorreu da decisão do presidente do STJ. Porém, no dia 20 de Fevereiro Sérgio Camargo postou uma foto no gabinete da presidência da Fundação Palmares.

O capitão do mato que volta a atuar na Fundação Palmares, revela pelas pessoas que o indicou, e aos quais ele está alinhado ideologicamente, politicamente e também pelos seus discursos racistas que ele é um capacho, fascista tanto quanto Bolsonaro e Alvim. Para esse governo não basta matar negros e pobres nas ruas, mas com esse tipo de nomeação eles pretendem também destruir as instituições de luta do povo negro por dentro, acabar de vez com as organizações sociais e culturais.

Pessoas desqualificadas e sem compromisso com a realidade é que não falta nos ministérios e secretárias do governo fraudulento e golpista de Bolsonaro. E não adianta trocar um ou outro ministro e secretário que a situação vai se resolver, como no caso do fascista Alvim, que foi demitido e entrou outra igual ou pior em seu lugar.  É preciso que a população se organize e se mobilize nas ruas para derrubar toda essa sanha fascista e direitista que se tomou de assalto o poder no Brasil.