Voto da classe média: PSOL está preocupado com chapa de Haddad

COLETIVA PC DO B EM SÃO PAULO

Com a formação da possível chapa entre Fernando Haddad do PT e Manuela D’Ávilla do PCdoB, concretizando a política do plano B pra a presidência da república, o PSOL, com sua candidatura de Guilherme Boulos, demonstrou-se preocupado com a perda de votos e de eleitorado para a chapa petista.

A preocupação tem relação com o caráter de classe do eleitorado psolista e da possível influência que a chapa Haddad e Manuela D’Ávila teria sobre esse eleitorado. A análise e de que o eleitorado de classe média, universitário, uma parte inclusive formado por uma pequena-burguesia direitista, a qual apoiou abertamente o golpe contra Dilma Rousseff, ficaria inclinada a apoiar e votar na chapa do PT, tirando apoio ao candidato do PSOL.

Além de demonstrar o fato de que o PSOL não possui qualquer influência real sobre o movimento operário, sendo um partido formado e apoiado por elementos de classe média, muitos dos quais profundamente direitistas, o cálculo das possíveis perdas dos votos pelo PSOL também revela o caráter completamente oportunista e eleitoreiro desse partido, o qual, em um momento de golpe de estado, de perseguição e massacre contra a esquerda e suas lideranças, em que a principal liderança popular do pais encontra-se presa arbitrariamente, o PSOL esquece completamente esse contexto essencial e se volta completamente para a disputa miúda de votos, como se tivesse qualquer possibilidade para ganhar as eleições.

E preciso deixar claro que as eleições desse ano, mais do que as outras, serão uma fraude completa, a começar pelo fato de que o principal candidato popular, líder nas pesquisas, esta preso por meio de um golpe e pode ser impedido de concorrer. Desconsiderar esse fato em nome de cálculos eleitorais como se tudo estivesse ocorrendo normalmente e fazer coro com a direita e aceitar o golpe e fraude que esta sendo montada contra a esquerda, e contra todo o povo.

O único caminho é o que apresenta uma saída real e a mobilização popular contra o golpe e em defesa da liberdade de Lula. Dentro do campo eleitoral, Lula, e somente ele, apresenta uma ameaça real contra os golpistas. E preciso mobilizar o povo em sua defesa, pela sua candidatura e sua liberdade.