Lula ataca medidas de Guedes
A liberdade de Lula representa a grande possibilidade do povo colocar um fim na agenda de Paulo Guedes, que visa favorecer os mais ricos e colocar na conta dos trabalhadores.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Lula agradece a solidariedade do povo em Porto Alegre
Foto: Ricardo Stuckert
Lula em Porto Alegre. Foto: Ricardo Stuckert |

A semana tem sido de grandes baques para o governo Bolsonaro, principalmente depois do ex-presidente Lula ter sido solto a partir de uma decisão do STF, que voltou atrás sobre a possibilidade de execução de pena antes do esgotamento de todos os recursos. Nem mesmo as longas explanações do ministro da Economia, o golpista Paulo Guedes, sobre a “necessidade” de se fazer uma reforma no Estado e Orçamento – necessidade aos olhos da burguesia – foi suficiente para desviar a atenção da liberdade de Lula.

Após ser solto, Lula fez uma grande fala no Sindicato dos Metalúrgicos, no ABC, no último sábado (9), em que não poupou esforços para atacar a agenda neoliberal de Paulo Guedes, prometendo que irá percorrer o Brasil a fim de dar uma resposta à ofensiva da extrema-direita contra ele e contra a classe trabalhadora. Ofensiva essa refletida no pacote de medidas neoliberais que o governo Bolsonaro vem tentando concretizar, como a reforma da Previdência, a estagnação do salário mínimo, o fim da estabilidade no serviço público, os cortes nos salários dos servidores públicos, etc.

Todo esse quadro tende a acirrar ainda mais a polarização no Brasil, que vem se intensificando cada dia mais. Afinal, os trabalhadores conseguem, mais do que nunca, perceber as contradições de classe expressas nos ataques aos direitos e no desmonte dos serviços públicos, como saúde e educação. Diante disso, a presença de Lula nas ruas é como um catalisador da vontade do povo e a possibilidade de Paulo Guedes virar o famoso “boi de piranha” cresce exponencialmente.

Lula livre deixa a burguesia com ainda mais medo de atacar a população e de intensificar a polarização, já que isso significa não mais ficar em cima do muro e ir pra cima da extrema-direita com toda a fúria popular. A América Latina, como um todo, está passando por uma ofensiva da política neoliberal, de modo que faz crescer cada dia mais a insatisfação popular, tendo o Chile como o principal exemplo recente. A população chilena está mandando um grande e assustador recado para o presidente golpista Piñera, isto é, contra o pacote de medidas neoliberais que é aplicado no país há tempos.

A burguesia está temerosa sobre os rumos que a população insatisfeita pode dar para o Brasil, caso o povo brasileiro resolva seguir os passos do Chile. A extrema-direita vem trabalhando numa série de tentativas de golpes em países como Bolívia, Argentina, Chile, Brasil, etc., contudo, as populações desses países tendem a seguir a onda atual de se rebelarem contra as manobras do imperialismo e, finalmente, reagir contra a burguesia sanguessuga que se sustenta no suor do trabalhador. Sendo assim, a burguesia brasileira fará de tudo para conter a polarização, mas este é o momento do povo ir às ruas, mais intensamente do que nunca, e aproveitar a crise da direita para derrubar o governo de golpistas que tanto explora e oprime os trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas