Reabertura no Amazonas
As aulas da rede estadual do Amazonas voltaram nesta segunda-feira (10) para cerca de 110 mil alunos. O governador do PSC organiza a reabertura e expõe centenas de milhares.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Fairfax County Public Schools assistant director of facilities management Todd Jones stands in a classroom where desks have been spaced to prevent the spread of the coronavirus disease (COVID-19) at Mantua Elementary School in Fairfax, Virginia, U.S., July 17, 2020.  REUTERS/Kevin Lamarque
A rede pública e particular não possui as mínimas condições para evitar a disseminação do vírus | Reprodução

As aulas da rede estadual do Amazonas voltaram nesta segunda-feira (10) para cerca de 110 mil alunos. O governador do Amazonas, Wilson Miranda Lima (PSC), publicou uma série de medidas que devem ser seguidas pelos estudantes, dentre elas está o uso de máscaras. O governo vai distribuir duas máscaras de pano para cada aluno.

A rede estadual do Amazonas é a primeira a retomar as aulas presenciais em meio à pandemia do COVID-19. Os ensinos do Ensino Médio e do EJA são os primeiros a retornar. A Secretaria da Educação e Desporto do Amazonas informou que as atividades presenciais devem acontecer com 50% dos estudantes nas salas de aula das 123 escolas da capital.

A volta da educação infantil sob responsabilidade da rede estadual está programada para o dia 24 de agosto. Para as escolas públicas do interior, não há previsão de retorno.

O protocolo para a retomada das atividades orienta que uma série de normais sejam seguidas pelos alunos ao chegarem nas escolas. A reabertura das escolas particulares completou um mês no dia 06 de agosto. Até este domingo, o estado do Amazonas registrava 3.359 óbitos e 106.950 casos confirmados de coronavírus.

O retorno às aulas na rede pública amazonense significa uma grave ameaça à vida dos alunos, professores, funcionários da educação e país de alunos. A aglomeração nas escolas é um ambiente propício para a expansão do vírus, que já vitimou mais de 100 mil pessoas e infectou mais de 3 milhões. O governo do Amazonas mostra-se disposto a expor centenas de milhares de estudantes ao contágio e morte, de forma a agravar a já precária situação da rede pública de saúde. É importante salientar que o sistema público de saúde do município de Manaus foi o primeiro a entrar em colapso ainda no começo da pandemia.

É preciso que as organizações estudantis e os sindicatos dos professores iniciem uma ampla mobilização contra a retomada das aulas na rede estadual do Amazonas. Os governos burgueses buscam passar a ideia, por meio da ocultação sistemática da realidade do país, de que o país deva retornar à normalidade, como se a pandemia não estivesse se alastrando e vitimando mais de mil pessoas por dia. Há todo um plano da burguesia de acabar com o isolamento social e aplicar a política proposta por Jair Bolsonaro, que “deixar morrer quem tiver que morrer”.

A reabertura comprova o que este Diário há muito vinha denunciando, que a burguesia e seus governos não têm qualquer preocupação com as condições de vida do povo.

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas