Vítima das leis que punem o aborto, mulher morre depois de abortar em casa

aborto RJ

Mais uma vítima da política da direita de perseguir e punir mulheres por fazerem aborto.  Ingriane estava grÁvida de 4 meses quando morreu por infecção generalizada depois de realizar um aborto caseiro em Petropolis na região serrana do Rio de Janeiro.

A mulher suspeita de ter realizado o procedimento foi presa nesta terça (17) e segundo a Polícia Civil ela recebeu R$ 300 pelo aborto realizado com métodos caseiros. Ela foi descoberta após investigação das mensagens no celular da vítima.

Ingriane Barbosa já tinha três filhos de 9, 7 e 2 anos  faleceu no dia 16 depois de ficar sete dias internada no Hospital Alcides Carneiro (HAC). O laudo com as causas da morte cita ainda endometrite bacteriana e abortamento. Segundo o irmão da vitima a pessoa que realizou o procedimento fez uma curetagem  no dia 9 de maio, quando retirou o feto e o talo de mamona.

A suspeita será encaminhada nesta sexta (20) para o Sistema Penitenciário do Rio e vai responder pelo crime de aborto com consentimento da gestante, com agravante pelo fato da vítima ter morrido.

Mais uma vítima do sistema cruel da sociedade brasileira que criminaliza mulheres por realizar aborto e ainda por cima faz vitimas fatais.