Mídia ataca o Funk
Começou a Virada Cultural e jornais, como a Folha de São Paulo, aproveitam a impopularidade da virada cultural, devido principalmente a seu caráter virtual, para atacar o funk.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
16078769205fd64138948f0_1607876920_3x2_lg
Show de MC Kekel em plataforma virtual. | Foto: Reprodução

Começou a Virada Cultural, que acontece entre este sábado (12) e domingo (13) para o público paulista. Por causa da pandemia do novo coronavírus, a 16ª edição da Virada Cultural será realizada a partir de shows e atrações online. Apesar de ainda manter algumas atrações presenciais, o evento terá cerca de 400 atrações disponíveis na internet, que constitui a maior parte das apresentações.

A mensagem da edição é “Tudo de arte, nada de aglomeração”, oferecendo atividades online e intervenções urbanas pela cidade,  em centros culturais, casas de cultura, bibliotecas e teatros. Porém sem aglomerações, ou seja, seguindo os protocolos burgueses sanitários e fazendo o uso da ocasião para cumprir com uma obrigação orçamentária da secretaria da cultura sem realmente servir culturalmente a população. Isso se nota pelo fato de que o programa se realiza com praticamente nenhuma divulgação de peso em torno de si. Tendo uma programação virtual, a Virada Cultural já elimina uma parcela significativa da população de simplesmente participar, usam a pouca participação e até desconhecimento geral acerca da existência do programa pela população como maneira de ataque a cultura genuinamente popular.

Vemos que, por exemplo, jornais como a Folha de São Paulo aproveitaram a impopularidade da virada cultural, devido principalmente a seu caráter virtual, para atacar o funk, como se o problema de acessibilidade ao programa pelo povo brasileiro, que reconhecidamente ouve o funk, o trabalhador e proletário, fosse devido a uma contradição, uma “fragilidade”, uma incapacidade de se adaptar, apresentado por esse gênero musical, o que claramente não poderia estar mais longe da realidade. Dentre as 400 atrações gratuitas fornecidas pela Virada Cultural, 1 deles foi escolhido como alvo pela mídia burguesa, que o posicionou como música barata, que só ganha popularidade devido a “liga” fornecida pelo público dançante da balada, e que por si só, nu, não se compara a musica “de verdade”.

Da Folha de São Paulo, ao comentar sobre as musicas tocadas pelo MC: ” (…) ‘namorar pra quê’ – na qual Kekel errou e pediu para o DJ que o acompanhava voltar ao começo – “quem mandou tu terminar”, “desencana” e mais “uma pá” de musicas nas quais o MC desafinou, atravessou e deixou claro que, sem a zoeira do público, sua arte de amealhar os sons é frágil”. Aí esta a posição da mídia burguesa com relação à música popular, ao funk: é som que se enaltece pela pura “zoeira”.

Além disso, é importante deixar claro que qualquer apresentação musical, não só o funk, perde muito de seu apelo quando não pode ocorrer presencialmente. Mesmo um concerto sofisticadíssimo de uma orquestra sinfônica é muito menos interessante de se acompanhar online do que presencialmente.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas