SC
Polícia invade festa de debutante, agride participantes com socos, chutes, bala de borracha e spray de pimenta.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
adolescente bala de borracha
Menina de 12 anos atingida por balas de borracha (Flavio Tin/ND) |
Aniversarianete mostra bala usada pela PM (Flavio Tin/ND)

Na madrugada de sábado para domingo, a PM catarinense invadiu uma festa de debutante e agrediu os participantes com balas de borracha e gás pimenta.

As vítimas, como de costume, foram moradores da periferia da Grande Florianópolis, que comemoravam o aniversário de 15 anos da menina K.M.R. no Centro Comunitário do Bairro Bela Vista. Pouco depois da meia-noite, a polícia entrou no salão e levou o equipamento de som. A música não estava alta, se tratando de uma festa familiar, mas mesmo que não estivesse, isso não justificaria a abordagem policial.

Quando questionados pelos pais que organizavam a festa, os policiais, que não estavam identificados, simplesmente mandaram calar a boca. “Foi um cenário de guerra. Os policiais entraram, quebraram parte da decoração, atiraram com bala de borracha, não queriam saber se tinha criança ou não. Chegaram a apontar a arma para uma criança deficiente auditiva. Eles nos trataram como animais, com injúrias raciais, a gente se sentiu humilhado” – relata um dos participantes.

Tio da aniversariante golpeado por cacetete pelas costas, na abordagem típica da PM.

Outro participante denuncia: “- A filha de 15 anos, que comemorava o aniversário, sofreu convulsões durante a invasão da polícia e chegou a ser agredida por um policial com um chute enquanto estava caída no chão. — Ele disse que ela estava fingindo e se negou a pedir socorro. Disse que se a gente quisesse chamar uma ambulância, que fosse até o orelhão para ligar.”

Os participantes eram constantemente xingados de preto lixo, vagabundos, macacos, preto sujo. A coordenação da operação parecia estar sob a responsabilidade de uma oficial feminina. Pelo menos 7 pessoas foram feridas pelas balas, além de outras que levaram chutes e golpes.

A mãe da adolescente e um tio foram levados à delegacia, depois de levarem murros, pontapés e golpes de cacetete. “Um policial me puxou pelos cabelos, eu estava com a minha filha de seis anos, ele me arrastou no chão, começou a me chutar. E a minha filha gritando. Foi horrível. Nos trataram como bichos. E a gente não podia falar nada, não podia abrir a boca ou perguntar alguma coisa que era agredido.” – conta a mãe.

Na delegacia, o delegado se recusou a pegar os depoimentos dos participantes. Apenas deu um termo circunstanciado para que assinassem e fossem liberados. Segundo a fantasia dos órgãos da imprensa burguesa, a Polícia Civil está investigando o caso.

A população da periferia sabe o quanto estas abordagens violentas são comuns. Este fato gerou repercussão e não pode ser escondido pela imprensa burguesa.

A situação que se repete em todo o País, mostra o caráter reacionário da PM, verdadeira máquina de guerra contra a população trabalhadora e a juventude e a necessidade da luta pela sua dissolução.

Evidencia também a urgência da organização nos bairros operários de comitês de autodefesa, para conter o avanço das polícias fascistas sobre a população pobre.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas