Villas Boas homenageia “herói” da ditadura

villas

Eduardo Villas Boas, comandante do Exército, homenageou em seu twitter Kozel Filho, recruta que morreu em 26 de junho de 1968 em uma operação realizada pela VAR-Palmares. “Nosso herói”, “a quem prestamos continência”; “jamais esqueceremos”. Escreveu o comandante.

O acontecimento foi no quartel do II Exército, em São Paulo. Em 1968, ano do famigerado AI-5, de repressão tão brutal que colocaria o País quase dez anos sem simples passeatas de rua, que só voltaram a ocorrer em 1977.

Além disso, o caso foi uma dinamite arremessada no quartel, sem intenção de matar, somente dirigida à parede do local, Kozel estava na guarita, muito despreparado, foi ver o que era o barulho e acabou sendo atingido pela explosão. Esse seria o “mártir” da ditadura.

Esse tipo de comentário nem é surpreendente vindo de Villas Boas. O general, em novembro do ano passado, fez questão de dizer “Exército é o mesmo de 1964”. Em outras palavras, os mesmos golpistas, que só esperam a oportunidade para proibir durante uma década que haja qualquer tipo de manifestação no País e impor um regime torturas, assassinatos e desaparecimentos, incluindo estudantes secundaristas, para defender os interesses dos inimigos do povo brasileiro.

Desde pelo menos o ano passado, esse é mais um recado claro que o Exército tem tomado cada vez mais protagonismo no atual golpe. Como bons golpistas são contra os interesses da população – também o mesmo Villas Boas foi, na realidade, o “voto de Minerva” que decidiu a prisão de Lula, em abril desse ano, quando ameaçou o STF com intervenção militar.

Por isso tudo, é fundamental  construir uma grande mobilização para libertar Lula e garantir que a vontade popular seja exercida. Para tal, muito importante participar da Conferência Nacional Aberta dias 21 e 22 de julho na Quadra dos Bancários, em São Paulo, para organizar a luta contra o golpe, para por fim à intervenção militar no Rio de Janeiro, libertar Lula e garantir a candidatura de Lula e os direitos democráticos de todo o povo brasileiro.