Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
24º Encontro Anual do Foro de São Paulo, neste domingo (15), em Havana (Cuba). #LulaLivre FOTOS: Ricardo Stuckert A presidenta do PT, senadora Gleisi Hoffmann e a presidenta eleita, Dilma Rousseff, junto com uma delegação de esquerda, denunciam caráter político da prisão de Lula a lideranças internacionais no 24º Encontro Anual do Foro de São Paulo, neste domingo (15), em Havana (Cuba). #LulaLivre FOTOS: Ricardo Stuckert
|

Da redação – Terça-feira (17), Dilma Rousseff e Gleisi Hoffmann levaram a campanha “Lula Livre” para o 24º encontro do Foro de São Paulo, realizado este ano em Havana, Cuba. A mesa contou com as presenças de Miguel Díaz-Canel, de Cuba; Nicolás Maduro, da Venezuela; Evo Morales, da Bolívia; Salvador Sánchez Cerén, de El Salvador; e Manuel Zelaya, ex-presidente de Honduras derrubado por um golpe que chegou a se hospedar em uma embaixada do Brasil.

O principal tema do evento foi a campanha internacional promovida por partidos de esquerda em favor da libertação de Lula, preso político em Curitiba desde 7 de abril.

Em sua intervenção no evento, Dilma Rousseff salientou o caráter progressista do fórum, indicando a ameaça que ele tem sofrido da onda de golpes imperialistas nas Américas. Ela também demonstrou sua admiração ao líder da Revolução cubana, Fidel Castro :

“A partir 2003, conseguimos criar na América Latina, um Fórum de congregação de países como a Celac e a Unasul.  Hoje nós vemos que os dois fóruns [unilac e unasul] estão sendo comprometidos, estão sendo minados. Porque, nesses fóruns, não se admitia colocar em pauta a intervenção militar. Principalmente essa que de forma aberta, as vezes, e discretamente fechada, em outros momentos, ameaça a Venezuela. Esse fato [impedimento da pauta de intervenção militar] foi extremamente importante durante os governos progressistas que uniram o governo do Uruguai, Mujica, os governos da Cristina e Nelson Kirshner, ao meu governo e do presidente Lula, ao de Hugo Chávez e Maduro, ao governo do Equador, ao governo de Bachelet no Chile, enfim, todos esses governos populares, democráticos e com um grande compromisso de esquerda, esses governos foram inspirados pelo pensamento de unidade do companheiro Fidel Castro. Quero reconhecer isso.”

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas