Vestibular genocida
A primeira fase do vestibular da Unicamp começa agora nesta quarta-feira dia 6, e representa o primeiro dos grandes exames antidemocráticos do ano
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
vestibular-05012021124225798
Estudantes que realizarão a prova da Unicamp mesmo depois da falta de ano letivo verdadeiro em 2020. | Foto: Reprodução

A primeira fase do vestibular da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), no estado de São Paulo, começa agora nesta quarta-feira dia 6. Esta prova representa o primeiro dos grandes exames antidemocráticos que são os vestibulares para o ensino superior a serem realizados no inicio de 2021, em janeiro e fevereiro, ainda durante o período de pandemia. O novo coronavírus forçou a instituição a adotar medidas mínimas de prevenção para realizar o exame, como a divisão de 77 mil candidatos em dois dias de prova, quarta feira dia 6 e quinta feira dia 7 e o dobro do números de salas. O tempo de realização da prova também foi diminuído de cinco horas para quatro horas, e com isso, o numero de questões do exame, que desceu de 90 para 72.

A prova para a Unicamp será iniciada às 13 horas. Além do processo seletivo dessa instituição, ocorrera ainda 10 de janeiro a prova da primeira fase da Fuvest, dia 30 e 31 de janeiro a da Unesp, e o bem conhecido Enem também conta com sua versão impressa dia 17 e 24 de janeiro. Além disso, a prova será aplicada em 38 cidades do País, incluindo seis capitais: São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza e Salvador.

Mesmo assim, no caso da Fuvest, mais de 34 mil estudantes do segmento de Ciências Humanas, Artes, Exatas e Tecnológicas se aglomerarão dia 6, e no dia 7, 43 mil da área de Ciências Biológicas e Saúde, e portanto, compartilharão o mesmo espaço por 4 horas, fazendo com que estas medidas tenham muito pouco valor pratico como método de prevenir e reduzir o numero de contágios. Todas as provas que ocorrerão neste mês de janeiro seguirão medidas preventivas similares, porém vale a pena lembrar que as provas iriam ocorrer com ou sem estas medidas apresentadas pela burguesia para prevenção do contagio, o que representa um dos verdadeiro problema da implementação do vestibular no período da pandemia.

Em frente a medida genocida de manutenção do vestibular em meio a um surto do novo Coronavirus, vale ressaltar que durante 2020 inteiro não houve um ano escolar significativo, fato este que é reconhecido, inclusive, pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) ao propor a extensão do ano escolar a 2021, também expandindo a farsa do EAD, com horríveis condições de ensino que nem é acessível a maioria do corpo estudantil brasileiro. Concretamente, isto significa que os estudantes oriundos da classe trabalhadora, que já possuem uma desvantagem enorme em relação aos estudantes pequeno-burgueses e burgueses, só se prejudicarão com a ocorrência desta prova em janeiro, dadas as condições mais desiguais do que a norma brasileira trazidas pela pandemia.

Isso apenas escancara o fato obvio de que os vestibulares são exames extremamente antidemocráticos, e que esperar algo destes veículos desiguais, principalmente neste momento singular de pandemia, onde estudantes da classe trabalhadora só se prejudicarão, é a mesma coisa que esperar pelo impeachment de Bolsonaro vindo de Doria: uma completa enganação. Os estudantes pobres só ganham o contagio se comparecerem a esta prova.

A tarefa para a juventude já foi posta, e não há outra saída. É necessária a organização e mobilização para luta pela suspensão das aulas até o fim da pandemia e termos vacina. São estas ações que permitem com que a as reivindicações dos estudantes se perpetue na arena politica, e enfim, obtenha êxito.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas