Siga o DCO nas redes sociais

Vereador golpista do DEM quer implantar a censura dentro da UFBA
Vereador golpista do DEM quer implantar a censura dentro da UFBA

O vereador golpista da cidade de Salvador/BA, Alexandre Aleluia, líder da câmara e dos golpistas do partido Democratas (DEM) está tentando estabelecer a censura dentro da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

O golpista Alexandre Aleluia entrou com uma ação popular na 16ª Vara Federal pedindo a suspensão da disciplina “Tópicos Especiais em História: O golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil”. A disciplina está sendo oferecida pelo departamento de História e conta com até fila de espera devido à grande procura.

Segundo o representante da direita coxinha, a disciplina é uma “afronta ao povo brasileiro” e exige que a matéria não seja ministrada, entrando para que a justiça golpista censure a universidade, o departamento e o professor que está propondo a matéria.

Essa atitude do golpista Alexandre Aleluia não é novidade, pois é um representante direto das antigas oligarquias da Bahia. É filho do deputado federal José Carlos Aleluia (DEM), um dos representantes do Carlismo na Bahia e do que há de mais atrasado na política baiana e brasileira. O seu partido (DEM) é um dos resquícios da ditadura militar, que censurou, torturou e matou milhares de pessoas no país, fato que permite que o vereador coxinha atue de maneira parecida, censurando o que não concorda e atacando a universidade.

A direita golpista é contra a universidade e o livre pensamento, querendo que esta atue em defesa dos interesses da burguesia. O que incomoda os golpistas, e nesse caso o vereador coxinha do DEM, é que o golpe de estado está cada vez mais claro para a população e aos poucos se levantando contra a direita que tomou o poder de assalto.

A direita está desesperada, em especial a direita baiana, que a população transformou em pequenos agrupamentos sem nenhuma expressão entre a população pobre e trabalhadora, onde a única maneira de manter seu poder é com censura e golpes de Estado.

A comunidade universitária, em especial os alunos, devem ser os primeiros a se colocarem contrários a essa medida de censura e de ataque a autonomia das universidades. Devem lutar contra essa direita e garantir que a matéria seja ministrada da forma necessária.