Fascismo no campo
O vereador Luiz Carlos (PSDB) está ameaçando as famílias do acampamento São Jose, localizado em Atalaia, Zona da Mata de Alagoas.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
São-José-1-1024x768
Na Zona Rural do município de Atalaia (a 45 km de Maceió), o acampamento abriga mais de 70 famílias. | MST/Alagoas

O vereador bolsonarista Luiz Carlos (PSDB), popularmente conhecido como Cal, está ameaçando as famílias do acampamento São José, município de Atalaia, localizado na Zona da Mata de Alagoas.

Há informações de que o político bolsonarista procede ao mapeamento de lideranças da luta pela terra na região. Além disso, Cal promete bens e serviços como forma de corromper as lideranças. Uma forma utilizada com o intuito de aterrorizar as famílias é espalhar a mentira de que existe um acordo com as lideranças do movimento e que, portanto, o despejo é possível está acordado.

O Movimento Dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) denuncia que o político estimula o conflito com os acampados e coloca a militância sem-terra na mira dos pistoleiros da região.

A situação demonstra que há um avanço da extrema-direita bolsonarista sobre os movimentos de luta pela terra e os acampamentos do MST. Luiz Carlos jamais se sentiria à vontade para intimidar e ameaçar se não contasse com a cumplicidade das instituições do Estado, a polícia, o judiciário, os políticos e os partidos burgueses de Atalaia e da região.

Desde que Jair Bolsonaro assumiu a Presidência da República, os latifundiários e seus pistoleiros têm realizado uma série de atentados contra os acampamentos do MST. São dezenas de militantes e sem-terra perseguidos e lideranças assassinadas.

Apelar para para autoridades policiais e judiciárias não resolve, de forma alguma, o problema. Na verdade, estas são as que garantem a impunidade e encobrem os crimes cometidos pelos pistoleiros a mando dos latifundiários. O estímulo a acreditar nas instituições do Estado significa desarmar o movimento e permitir que a extrema-direita continue perseguindo, ameaçando e assassinando os acampados e suas lideranças.

O governador do estado do Alagoas, Renan Filho (MDB) e o prefeito de Atalaia, Chico Vigário (MDB) são representantes políticos das oligarquias agrárias e fieis escudeiros dos pistoleiros. A política deles se orienta a garantir os interesses dos ruralistas.

O MST e as demais organizações de luta no campo devem promover a organização de Comitês de Autodefesa para responder na mesma moda todos os ataques e ameaças. Não é possível cultivar ilusões nas instituições do Estado capitalista, ainda mais em um contexto de golpe de Estado e ascensão da extrema-direita fascista. O bloco político bolsonarista, aliado dos latifundiários e ruralistas, controla as instituições repressivas e jamais vai proteger os acampamentos dos sem-terra.

O fascismo sempre começa seus massacres contra os setores mais frágeis do movimento popular. Neste caso, trata-se de avançar com o terror no campo. É preciso organizar a reação contra estes ataques, à altura.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas