Reprodução
Enquanto isso acontece a nação sul-americana traça estratégias para enfrentar a crise e aliviar a situação que afeta o povo.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
maduro12
Presidente venezuelano, Nicolas Maduro. Foto: REUTERS / Marco Bello |
Caracas, 23 set (Prensa Latina) – Milhões de dólares perdeu hoje o Governo bolivariano como consequência do bloqueio financeiro dos Estados Unidos, segundo um relato da Consultoria Jurídica de Petróleos da Venezuela (Pdvsa).
O relatório titulado Sanções e bloqueio, crime de lesa humanidade contra Venezuela, assinala que as contas em bancos correspondentes como o Commerzbank AG, Citibank e Bank of China Frankfurt, nas que esta nação mantinha em agosto de 2017 ao redor de 150 mil milhões de dólares foram fechadas a partir das medidas coercitivas impostas por Washington.

Desde a assinatura da ordem executiva do presidente estadunidense, Donald Trump, nessa mesma data, na qual se emitiram sanções econômicas contra à Venezuela, o país enfrenta um bloqueio financeiro internacional.

Os bancos alinharam-se ao bloqueio impedindo a utilização dos recursos para a aquisição de alimentos e medicamentos. Os recursos mantiveram-se bloqueados no caso de Bank of China em Frankfurt até março do ano 2018′, assinala o documento. Descreve o relatório que devido às sanções, Venezuela pode manter contas em dólares americanos, pelo que se fez necessário a busca de bancos europeus, do Oriente Médio e Ásia, vendo a necessidade de adotar o euro como principal divisa e utilizar outras moedas de mercados emergentes (liras turcas, dírhams e yuanes).

Diante esta situação o Governo bolivariano tem tido perdas consideráveis por diferencial cambial em custos transacionais e financeiros.

Enquanto isso acontece a nação sul-americana traça estratégias para enfrentar a crise e aliviar a situação que afeta o povo, procurando diferentes soluções para melhorar a qualidade de vida, a delegação opositora enviada pelo autoproclamado presidente Juan Guaidó anunciou que solicitará à Assembleia Geral de Nações Unidas aumentar as pressões contra o país.

Na rede social Twitter, o deputado opositor disse que pedirão o apoio internacional para implementar novas medidas punitivas e participarão na reunião de chanceleres do Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR), para apoiar uma agressão militar contra o país.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas