Venezuela: Guaidó é um agente do imperialismo em guerra contra seu próprio país

guaido

Em um espetáculo oportunista, o líder da oposição golpista venezuelana, comprado pelas forças imperialistas norte-americanas, Juan Guaidó, no último dia 11 de janeiro, reuniu meia dúzia de insanos e anunciou que estava assumindo as competências executivas do país, como presidente interino. E como assim? O bonequinho articulado sequer participou do processo eleitoral que ocorreu no ano anterior.

A América do Sul sofre um processo de intervenção de forças imperialistas altamente agressivo com características fascistas devido à atual situação do sistema capitalista. Os grandes monopólios decidiram retomar a região e usurpar suas riquezas. E tem suas aliados como os lambe-botas Guaidó, Piñera, Macri, Duque, Bolsonaro e outros.

A atitude do marionete Guaidó mostra claramente a obsessão dos lacaios dos EUA, que de pronto reconheceram a atitude mais escatológica dos últimos anos no mundo. A atitude de se autodeclarar presidente um opositor desconhecido de uma assembleia cuja representatividade já comprometida e sem forças no país, contra uma massa que inclusive conta com uma milícia popular próxima a dois milhões de pessoas e que apoia o atual governo chavista de Nicolás Maduro.

Um império como o dos norte-americanos que exaltam as eleições fraudulentas deles próprios como ápice da tal “democracia” de imediato reconheceu e apoiou esta atitude, é no mínimo estranho. Os “politicamente corretos” da esquerda-pequeno burguesa imperialista se metem na política dos países sul-americanos infringindo as cartas magnas, causando verdadeiros crimes de lesa-pátria, contra a vontade dos povos desses países.

Foi um ato claro de oportunismo com mesclas de desespero e manipulação do Imperialismo em dominar uma região que não lhe pertence, e que encontram políticos que se vendem para lesar suas pátrias, ao invés de defendê-las, porque não passam de paus-mandados do imperialismo.