Denúncia
“Trump busca a guerra contra a Venezuela usando o narcotráfico como desculpa”, afirmou o embaixador da Venezuela na ONU, Samuel Moncada
34145269125_25d829dd87_k
Samuel Moncada, embaixador da Venezuela na ONU | Foto: Juan Manuel Herrera/OAS
34145269125_25d829dd87_k
Samuel Moncada, embaixador da Venezuela na ONU | Foto: Juan Manuel Herrera/OAS
O embaixador venezuelano nas Nações Unidas, Samuel Moncada, denunciou hoje que os Estados Unidos estão tentando provocar uma guerra contra a Venezuela usando o tráfico de drogas como pretexto.

 

‘Trump procura uma guerra com a Venezuela usando o tráfico de drogas como desculpa… um novo tipo de ameaça produzida por seu melhor aliado: os traficantes de drogas colombianos’, disse o diplomata em sua conta da rede social Twitter.

As declarações de Moncada vem depois que as forças navais americanas anunciaram a captura de um grande submarino ao largo da costa colombiana.

Mais tarde, em outro tuíte, o embaixador mostrou o vídeo da operação para parar o submarino pelo Comando Sul e lembrou que a Colômbia é o maior produtor mundial de drogas.

Ele também enfatiza que existe uma frota clandestina de submarinos de drogas quebrando recordes de exportação de cocaína daquela nação.

‘É a era dourada de mais do que Pablo Escobar. Trump não tem desculpa para invadir a Venezuela, os senhores da droga são parte do plano de agressão’, disse o diplomata em sua mensagem no microblog.

De acordo com relatórios, o navio capturado tem 30 metros de comprimento, 3 metros de largura e pode transportar de seis a oito toneladas de narcóticos. Desde abril passado, o governo de Donald Trump anunciou o início das operações antinarcóticos no Pacífico Oriental e no Caribe, e destacou as forças do Comando Sul para as proximidades da costa venezuelana sob esse pretexto.

Por sua vez, o Poder Executivo deste país sul-americano rejeitou o anúncio das operações militares e as acusações.

‘A Venezuela repudia fortemente as declarações feitas por Trump, seu Secretário de Defesa, seu Procurador-Geral e outros funcionários de sua equipe de segurança, que em uma tentativa desesperada de desviar a atenção da trágica crise humanitária que estão passando devido ao manuseio errático da covid-19, pretendem atacar com infâmia e ameaças’, disse uma declaração emitida pelo Ministério das Relações Exteriores na ocasião.

Relacionadas
Send this to a friend