Venezuela anuncia exclusão do dólar de transações cambiais oficiais

dolar

Da redação – O vice-presidente setorial da Economia da Venezuela, Tareck El Aissami, anunciou na terça-feira que todas as transações no mercado de câmbio venezuelano serão referenciadas no euro e não no dólar, como foi feito até agora.

O funcionário explicou que as sanções mais recentes feitas pelo governo dos EUA contra o país sul-americano “bloqueiam a possibilidade de continuar a negociar no mercado cambial venezuelano com o dólar”. É uma “proibição ilegal, arbitrária, contrária ao direito internacional”, advertiu ele.

O vice-presidente da área econômica informou que nos 57 dias do programa de recuperação econômica promovido pelo governo venezuelano para aliviar a crise econômica foram realizadas transações de 60 milhões de dólares através do sistema de leilões Dicom para pessoas físicas e jurídicas.

No entanto, os setores agroindustrial e farmacêutico afirmaram que, quando os pagamentos em moeda estrangeira são emitidos do país sul-americano, as transações são imediatamente bloqueadas. Por esse motivo, a partir de agora as transações serão em euros e outras moedas internacionais.

Aissami disse que “o bloqueio financeiro imposto pelos EUA” afeta o setor público e privado venezuelano. “Isso é para ver até onde a loucura do imperialismo vem”, disse ele.

Na conferência de imprensa que ele deu com o presidente do Banco Central da Venezuela, Calixto Ortega, e o ministro da Economia e Finanças, Simon Zerpa, o vice-presidente econômico disse que “continuam a tentar impor taxas de câmbio que não correspondem a fórmulas econômicas racionais”. ”

El Aissami também informou que todo o sistema bancário nacional será incorporado ao sistema de mercado de câmbio Dicom. Anteriormente, apenas bancos estatais e um grupo privado podiam transacionar.

Ele também anunciou que uma resolução foi emitida para elevar a reserva legal de 31% para 40%, “para evitar que o soberano bolívar acabe no mercado especulativo”. A reserva legal é a porcentagem de recursos que os intermediários financeiros devem manter congelados.