Somente para os ricos
Os laboratórios já produzem em larga escala e os países ricos já compraram metade de toda a produção
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
4601746274_f383fb9260_k
Laboratórios produzem para atender a uma minoria que pode pagar | Foto: Mariana Braga

Os números da pandemia do coronavírus não param de crescer em todo o mundo. Os especialistas e autoridades sanitárias falam em uma nova onda de infecção e isso é o que está parecendo mesmo acontecer. Na verdade não é correto falar em “segunda onda”, pois o que vem ocorrendo é a continuidade da situação anterior, onde a epidemia, em momento algum, esteve sob controle, mas tão somente apresentou, em alguns poucos lugares, tímidas quedas nos índices de novos infectados, em razão de medidas mais efetivas de isolamento e cuidados preventivos.

Dados atualizados da covid-19 apontam para um quadro trágico e estarrecedor, onde o quantitativo de mortos já se aproxima da marca de 1 (um) milhão, número este que pode ser atingido no início de outubro, segundo projeção dos organismos internacionais que lidam com a problemática da pandemia. Na Europa, por exemplo, em mais de 30 países há indícios muito consistentes de aumento nos casos de novas infecções, o que fez soar o alarme da OMS, recomendando o retorno às normas e procedimentos no que diz respeito aos protocolos de prevenção e segurança sanitária.

Em meio a esta situação preocupante quanto à continuidade e números crescentes da pandemia em todo o mundo, surge como positiva o desenvolvimento de vacinas e antídotos produzidos por alguns países (China e Rússia, principalmente) que já se encontram em estágios avançados, onde testes em humanos, com resultados muito promissores, começam a ser anunciados. Todavia, como tudo na economia capitalista, onde a regra é sempre a competição desigual entre ricos e pobres, a corrida para ter disponível a vacina como recurso imunobiológico capaz de imunizar grandes contingentes populacionais também está sujeita a este critério.

Um relatório elaborado pela ONG Oxfam aponta que um grupo de países que representa apenas 13% da população mundial já adquiriu mais da metade das doses prometidas da vacina contra a covid-19. Os dados foram obtidos a partir de informações constante de contratos com os laboratórios onde o desenvolvimento da vacina já se encontra em etapas mais avançadas. O diretor da Oxfam, Robert Silverman, classificou a informação como “preocupante” e reforçou que garantir o acesso da vacina aos países e povos é tão importante quanto desenvolvê-la. “O acesso às vacinas que salvam vidas não deveria depender de onde se vive ou de quanto dinheiro se tem” (Portal IG, 17/9), ressaltou Robert Silverman, diretor da Oxfam.

Em tom crítico, Silverman também atacou “a postura das grandes corporações farmacêuticas em proteger os monopólios e a patente de cada vacina, que deveria ser compartilhada gratuitamente para o desenvolvimento de uma “vacina do povo”. Até o momento, 2,7 bilhões (51%) das doses já negociadas estão em países como EUA, Reino Unido, Japão e Suiça. (idem, 17/9).

O que se vê neste momento é que a pandemia mundial, assim como outras catástrofes que afligem a humanidade, são exploradas em benefício de uma ínfima minoria de privilegiados que controlam a economia mundial, um punhado de poucos países que impõem o jugo opressor do capital e da superioridade militar sobre todos os povos. A derrota do capitalismo e o fim da propriedade privada dos meios de produção se tornou vital para a sobrevivência da humanidade.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas