Ensino remoto
Universidades federais devem paralisar contra o ataque do ensino à distância
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ato-contra-reforma-administrativa
Estudantes participam de manifestação no Rio de Janeiro contra reforma administrativa | Foto: Reprodução

Na última terça-feira, o Ministério da Educação (MEC) registrou que todas as 69 universidades federais do País já retomaram suas atividades desde o início da pandemia do coronavírus. Esse retorno só foi possível devido à pressão dos capitalistas para a implementação dos mais diversos modelos de ensino a distância (EAD) e também pela ausência e postura derrotista dos principais movimentos estudantis nacionais.

A maioria dessas universidades aderiu ao modelo chamado ensino remoto, que nada mais é do que uma perfumaria para melhorar a aparência da destruição da educação pública comumente conhecida como EAD (Ensino a Distância). O ensino remoto, tanto quanto o EAD, é uma das grandes iniciativas dos capitalistas para privatizarem de vez o ensino público, principalmente o superior, deixando as universidades nas mãos dos tubarões das redes privadas de educação e das grandes empresas de tecnologia, que dominam esse nicho. Além disso, o EAD é um fator crucial para desmobilização dos estudantes, que por não estarem presentes fisicamente no ambiente universitário/escolar, não vivenciam de perto todos os problemas sofridos e não têm a oportunidade de se organizar para combatê-los de imediato.

Uma política adotada pelos movimentos estudantis, pelos DCEs e CAs das universidades foi a defesa dos “auxílios” como salvação para os estudantes. De forma semelhante ao auxílio emergencial de Bolsonaro, as organizações como a UNE e a UBES defenderam enfaticamente que os estudantes precisariam de alguns recursos para terem acesso à chips de celular, à internet e à equipamentos tecnológicos como tablets e notebooks.  Na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), umas das principais instituições do país, foi estabelecido um auxílio no valor de R$ 1 mil reais, para cerca de 3,4 mil estudantes, numa faculdade com pelo menos 70 mil matriculados.

A esmola dos auxílios defendida pelas organizações dos estudantes serviu como uma forma de adesão e de total aceitação do ensino à distância nas universidades e escola, como uma falsa alternativa ao retorno das aulas presenciais. Essa adesão ao EAD configura uma verdadeira derrota política para as IFES (Instituições Federais de Ensino Superior) e coloca em questão o desenvolvimento desse problema a nível nacional. Por se tratar de uma política nacional e internacional, faz-se necessário uma ampla mobilização dos movimentos estudantis. As juventudes devem lutar pela suspensão do calendário acadêmico e promover greves em todas as universidades para barrar mais essa ofensiva golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas