Sem mobilização será demagogia
Recorrendo a Justiça, responsáveis por alunos em universidades privadas conseguem a redução temporária das mensalidades para poucos estudantes
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
602_plgNewsPoster
Foto: Labor News |

Com a interrupção das aulas presenciais, as escolas e universidades particulares são as primeiras a optar pelo ensino à distância. Assim, com um ensino barato e meia boca, conseguem manter as caríssimas mensalidades e reduzir os custos para sobreviverem na crise financeira. No Rio de Janeiro, o Tribunal da Justiça concedeu uma redução de 50% na mensalidade a alunos que argumentam serem necessárias aulas práticas para seu aprendizado.

A verdade é que ninguém aprende com EAD, muito menos anatomia médica, por isso, estudantes de medicina da Fundação Técnico Educacional Souza Marques entraram na justiça para pedir a redução da mensalidade. Depois de falhar em negociação com a instituição, levaram o caso para o Procon e finalmente para Defensoria Pública do estado, seus pais e responsáveis recorreram à Justiça alegando que a qualidade das aulas não valiam o preço das mensalidades.

A mensalidade é de R$ 10 mil, reduzida pela metade em uma das ações requeridas de dois estudantes, que estão no 5º e no 6º ano do curso. Nessa, o juiz da 37ª Vara Cível Sandro Pitassi afirmou:

“encontram-se, respectivamente, nos 5º e 6º anos do curso de medicina, cuja grade curricular dos respectivos períodos apresenta acentuada carga horária de natureza prática, fato que inviabiliza a continuidade normal do aprendizado através da internet.”

 O juiz estabeleceu multa de R$ 20 mil para cada cobrança indevida. A Fundação também está impedida de inserir os nomes dos estudantes e responsáveis em cadastros restritivos, sob pena de multa diária de R$ 500. Apesar de dar a entender que é o começo de uma vitória para os estudantes de instituições privadas, não passa de uma falcatrua para impedir maiores mobilizações. As próprias empresas argumentam: cada local e cada instituição é diferente, as negociações precisam ser individuais para atender melhor cada caso. Basicamente, preferem que cada estudante com sua família se esforce para ir à Justiça ao invés de se organizar politicamente em massa exigindo a suspensão da mensalidade. 

O mesmo aconteceu com 5 alunos da universidade Estácio de Sá, concedido pela desembargadora Claudia Telles, da 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

É evidente que reduzir 50% da mensalidade de poucos alunos não é suficiente para barrar os ataques aos estudantes de ensino privado. Esse setor estudantil por estar sobre a burocracia dos tubarões imperialistas tem uma deficiente mobilização, então com mais dificuldade para mobilizar a comunidade escolar e universitária para exigir seus direitos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas