Menu da Rede

Dia 18: às ruas contra a reforma administrativa, Fora Bolsonaro!

Política direitista

UNE espera em casa enquanto prefeitos impõem a volta às aulas

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados a decisão de voltar as aulas em meio a pandemia, um ataque profundo a população, que está sendo apoiada pelas maiores organizações estudantis

Sala de aula em uma escola pública no Pará – Hans von Manteuffel/Agência O Globo

Nesta terça (20), a Câmara dos Deputados aprovou, por 276 votos a 164, a determinação de que as aulas presenciais de ensino básico e superior são serviços essenciais durante a pandemia do coronavírus.

O projeto proíbe a suspensão das aulas durante a pandemia exceto “em situações excepcionais cujas restrições sejam fundamentadas em critérios técnicos e científicos devidamente comprovados”, não deixando claro quais seriam tais critérios.

O Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) lançou uma nota colocando-se contra a decisão:

“O Consed acredita que não é o momento de obrigar estados e municípios a abrirem suas escolas, numa decisão única para todo o país. É preciso considerar ainda que as medidas de prevenção adotadas por meio dos protocolos foram pensadas para uma situação controlada e não para um momento de risco extremo, como o que vivemos”, diz a nota.

Em Belo Horizonte, professores da rede municipal e de escolas particulares realizaram um ato contra a volta às aulas presenciais em frente à prefeitura, no centro da capital.

“Queremos aula presencial, porque educação se faz de forma presencial, mas precisamos estar vivos e, neste momento, o que vale é garantir a vida, e não o retorno”, afirmou a presidente do Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais (Sinpro Minas), Valéria Morato.

Após o prefeito de Salvador, Bruno Reis, anunciar a volta às aulas na cidade, o presidente da Associação dos Professores Licenciados do Brasil (APLB) na Bahia, Rui Oliveira fez uma declaração de que entrariam em greve no Estado.

“Haverá uma reunião global na quarta, onde vamos encaminhar as seguintes proposições: parar todas as unidades da Bahia no dia 3, fazer atos de protesto nas cidades, tudo que puder ser feito. Se insistirem, vamos para a greve geral dois dias depois”, declarou o dirigente sindical.

Assim como nos exemplos citados, diversas outras organizações se colocaram contrárias a volta às aulas, demonstrando a impopularidade imensa da decisão, que deve ser caracterizada como um profundo ataque contra a população. 

A política direitista do “fique em casa”, apoiada por setores da esquerda, se mostra uma completa farsa demagógica enquanto colocam a população a mercê do vírus nos transportes públicos lotados e nas salas de aula.

É uma política que favorece apenas os capitalistas, tanto na questão das aulas, – como mostra o estudo de economistas do Insper sobre a redução do PIB (produto interno bruto) brasileiro de 5,3% a 23% com a paralização do ensino durante a pandemia – quanto na questão do trabalho durante esse período. Ninguém será beneficiado com as aulas presenciais, com exceção dos bolsos dos banqueiros, que controlam a economia mundial.

Enquanto os capitalistas avançam sobre a classe trabalhadora e a população mais pobre, a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), ambas dirigidas pelo PCdoB, ficam de braços cruzados e chegam até mesmo a defender e fazer campanha pela volta às aulas.

A esquerda pequeno-burguesa está sendo cúmplice da política criminosa da direita genocida. A política de “volta às aulas com segurança” é uma verdadeira infâmia. É de conhecimento geral o fato de que as escolas não têm segurança nenhuma. Qualquer um que tenha colocado os pés em uma escola pública sabe que isto não é verdade. Para tanto, seria necessário o investimento público massivo, algo vetado pela política de austeridade fiscal.


A juventude precisa se mobilizar em torno de um movimento grevista contra a volta às aulas e os ataques promovidos pelo ensino a distância e pela vacinação em massa. Pedir pelo retorno das aulas é condenar os alunos, professores e seus familiares a morte, sob promessas de proteção que não serão cumpridas durante o governo genocida de Jair Bolsonaro.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.