Eleições
As dezenas de milhares de mortes causadas pelo novo coronavírus tornaram-se um aspecto completamente secundário na disputa mesquinha por cargos públicos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
fila de banco
Aglomeração em frente a banco no Recife | Foto: Leandro de Santana/DP Foto

As eleições têm sido — e são, de uma maneira geral — uma das melhores oportunidades para colocar sob teste o programa dos partidos políticos. A monstruosidade da política da direita se torna ainda mais cristalina, uma vez que seus representantes são obrigados a debater sua política. E toda a demagogia que a esquerda pequeno-burguesa vive fazendo cai por terra como apenas um manto para encobrir sua política de colaboração com o regime.

Nos primeiros meses da pandemia, a própria burguesia impulsionou a campanha pelo “fique em casa”, recebendo amplo apoio da classe média, que tinha, de fato, condições para ficar em casa durante um período. Até mesmo o auxílio emergencial, que deveria ser distribuído entre os trabalhadores que ficaram sem renda alguma, foi drenado pela pequena burguesia. Se, desde o início, a campanha era uma hipocrisia, já que milhões e milhões de trabalhadores continuaram sendo forçados a trabalhar — e sob as piores condições —, ao mesmo tempo em que outros milhões foram largados desempregados, a campanha já se mostrou uma farsa total. A direita defende abertamente a volta às aulas e está promovendo a abertura da economia.

A pandemia continua sendo um drama para a classe operária. Segundo os dados oficiais, que são todos eles fraudados, centenas de pessoas continuam morrendo por causa do novo coronavírus. Em apenas três meses, o número de óbitos passou de 100 mil para 150 mil. A pandemia segue totalmente descontrolada.

E não bastam os números do Brasil para comprovar que o coronavírus continua sendo um problema gravíssimo. Na Europa, onde há muito mais recurso e uma tentativa muito maior da burguesia de controlar a crise social e econômica vigente, a segunda onda da pandemia é uma ameaça cada vez mais concreta. Países como a França estão revendo a política de reabertura e impondo novas restrições.

Que a burguesia é essa classe que quer arrancar a pele dos trabalhadores para salvar seus negócios, não deveria ser novidade. O que chama a atenção, no entanto, é que a esquerda pequeno-burguesa, que foi incapaz de denunciar a burguesia desde o início da pandemia, agora se mostra não só incapaz de denunciar sua política criminosa, se mostra também completamente a reboque da classe dominante.

Quando a burguesia dizia “fique em casa”, a esquerda pequeno-burguesa obedecia e ficava em casa. De repente, sem qualquer crítica, sem qualquer avaliação, a esquerda decidiu sair às ruas para fazer campanha eleitoral. Por qual motivo? Somos obrigados a concluir que o único motivo é que a burguesia autorizou a saída às ruas, visto que o problema concreto da pandemia permanece. Mas, o que é mais importante: a burguesia autorizou a saída às ruas apenas para atividades específicas. Para grandes mobilizações, as proibições permanecem.

E essa concepção não está somente nos métodos de a esquerda pequeno-burguesa fazer campanha. O seu próprio programa e a sua própria posição em relação às eleições revelam um acordo com a burguesia em relação à questão da pandemia: o coronavírus e o desemprego não são um problema real. No fim das contas, a pandemia, o desemprego, a fome e todos os problemas mais fundamentais da classe operária não estão entre os principais desafios da esquerda. Todos esses problemas são encobertos pela demagogia reacionária em torno dos únicos assuntos que a burguesia permite discutir: propostas abstratas para a pintura de creches, o asfaltamento de ruas, a coleta do lixo etc.

Se a esquerda pequeno-burguesa se exime de discutir os problemas mais fundamentais, se decide viver em um mundo sem pandemia e sem desemprego, em um mundo onde os “super-heróis” candidatos seriam capazes de resolver todos os problemas, quando na verdade apenas estão vendendo ilusões para efetivar seu cargo encostado em alguma prefeitura, é impossível que essa esquerda levante as bandeiras de luta sob as quais os trabalhadores mais necessitam neste momento. É preciso rejeitar toda tentativa de adaptação ao regime político burguês e mobilizar os trabalhadores em torno do Fora Bolsonaro e todos os golpistas e pela candidatura de Lula.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas