Eleições
É dever do partido revolucionário lançar mão de todos os esforços para levar sua política a todos os trabalhadores neste período
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
mutirao_curitiba1
Mutirão do PCO em Curitiba | Foto: Diário Causa Operária

As eleições de 2020 serão um dos episódios mais bizarros e antidemocráticos que o Brasil já viu nas últimas décadas. Pouquíssimo tempo de campanha, restrições diversas à atividade de rua, censura na internet, partidos sem direito a guia eleitoral etc. Todo esse quadro mostra claramente que o País está andando a passos largos para uma ditadura. Contudo, da mesma forma que é verdade que o regime vem se fechando cada vez mais, é verdade também que os trabalhadores estão se mostrando cada vez mais dispostos a pô-lo abaixo.

Uma tese, na verdade, comprova a outra. A necessidade da burguesia de tornar o regime cada vez mais antidemocrático, que leva a uma série de crises e riscos, demonstra o verdadeiro pavor que os capitalistas têm diante da possibilidade de uma revolta popular. A situação econômica em todo o mundo é cada vez mais dramática e, mais cedo ou mais tarde, os trabalhadores se levantarão contra seus algozes. Ao mesmo tempo, o regime cada vez mais ditatorial acelera as contradições entre os golpistas e o povo, contradições essas que só poderão ser resolvidas por meio de uma revolução.

Diante disso, é preciso que a esquerda e todas as organizações do movimento operário se lancem na tarefa de impulsionar o choque inevitável entre os trabalhadores e a direita. Não é hora de baixar a cabeça para a repressão e a fraude eleitoral: é hora de reunir toda a disposição do povo para derrubar o governo Bolsonaro e todos os golpistas.

Para isso, é preciso aproveitar todas as brechas das eleições para organizar uma grande campanha de agitação e propaganda em torno das reivindicações fundamentais dos trabalhadores. É preciso fazer uso das entrevistas, dos debates e de todo o clima instaurado pelo processo eleitoral para chamar os trabalhadores a colocarem abaixo o governo Bolsonaro e o regime golpista. É preciso, ao mesmo tempo, fazer uma ampla campanha pela construção do partido revolucionário, o PCO. Fortalecer a sua imprensa, engrossar suas fileiras militantes e ampliar a sua influência política.

A única maneira de fazer isso acontecer é por meio de uma campanha militante. Isto é, uma campanha que tenha como centro a atividade militante de todos os envolvidos. Diferentemente da burguesia, que contrata cabos eleitorais, o PCO irá dispor seus militantes em todo o País para baterem de porta em porta, de casa em casa, de rua em rua, denunciando a fraude eleitoral e o governo Bolsonaro. O PCO não sairá às ruas para distribuir os “santinhos” de seus candidatos, mas para fazer propaganda de seu programa revolucionário, panfletando em terminais de ônibus, portas de fábrica e em todo lugar onde estiverem os trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas