Saída democrática
Recentes ataques da direita à candidatura de Lula reforçam que a burguesia não quer o ex-presidente e que só o povo organizado pode permitir a candidatura do ex-presidente
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Lula ou Nada em Brasília
Ato de registro da candidatura de Lula em Brasília | Foto: Reprodução

Nesta quinta (1º) o ministro golpista Edson Facchin negou habeas corpus ao ex-presidente Lula, que por meio da sua defesa pedia a paralisação do processo farsa do triplex do Guarujá.

Por outro lado, a juíza golpista Gabriela Hardt, que substituiu Moro na 13ª Vara da Justiça Federal em Curitiba, reconheceu a legalidade de 23 palestras do ex-presidente que , entre outros empresas que promoveram, tem empreiteiras investigadas na Lava Jato. Em sentença no último dia 24, a Lava Jato também reconheceu “ausência de prova suficiente” de crime em relação ao ex-presidente.

“Não houve comprovação de que os valores bloqueados possuem origem ilícita. Deve-se presumir sua licitude”, disse Hardt no despacho.

Esta situação de ataques e recuos do Judiciário expressa a posição da burguesia diante de Lula, num momento em que o ex-presidente aparece como opositor natural do regime golpista e que a inclinação da população pelo seu retorno à presidência da república cria uma situação de crise profunda do golpe de Estado de 2016 e da fraude eleitoral de 2018.

Desde que Lula em seu discurso histórico, em 7 de setembro, deixou claro sua disposição para ser o candidato em 2022, na defesa dos trabalhadores e do povo pobre, a burguesia e a direita responderam a iniciativa com diversos ataques contra os advogados de Lula e contra o próprio ex-presidente. As decisões de Edson Facchin e de Gabriela Hardt, portanto, são faces de uma mesma moeda da burguesia: iludir os trabalhadores de que a solução para Lula está no Judiciário. Não poderia ser mais mentirosa e nociva essa campanha da burguesia.

Isso reforça o que este Diário e o Partido da Causa Operária tem alertado sistematicamente, de que o ex-presidente Lula só será candidato caso um mobilização popular massiva imponha derrotas ao Judiciário e ao regime golpista e anule a Lava Jato e todos os processos contra ex-presidente, garantindo o restabelecimento dos seus direitos políticos e a sua candidatura.

Por isso, é precisa ter claro e combater o discurso de que “Lula não pode ser candidato”. Lula tem o direito de ser candidato! Se o Judiciário golpista é quem nega esse direito, do povo e de Lula, é o Judiciário que deve ser combatido, não a candidatura de Lula que deve ser contornada. É precisa ter claro que a burguesia faz isso justamente para empurrar a esquerda e o povo para a substituição de Lula, como ocorreu em 2018, que resultou na fraude eleitoral que elegeu Bolsonaro.

A anulação dos processos-farsa contra Lula não está para 2022, mas é um tarefa imediata e que só pode se transformar em realidade com a mobilização popular.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas