Frente Ampla
Ao promover a ilusão em setores da burguesia que seriam menos direitistas, a esquerda acaba levando o eleitorado de volta ao centro e barra sua evolução política
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Ciro-e-Boulos-o787u922btzt25spsmffokxmxyugns0l1s3d9jv0o0
Boulos é um dos expoentes da política de frente ampla | Arquivo

Com a eleição de Bolsonaro, um amplo setor da esquerda, que inclui setores do PSOL, do PT e do PCdoB, entre outros, estão fazendo uma propaganda em favor da frente ampla.

A alegação é que seria necessário e desejável a aliança com setores da burguesia supostamente democráticos para combater o fascismo bolsonarista.

O primeiro problema é que esses setores não são democráticos. PSDB, DEM, MDB, foram os articuladores do golpe de 2016, além de serem herdeiros dos partidos oficiais da ditadura militar.

A frente ampla é, assim, a tentativa de reorganização da frente popular, anteriormente capitaneada pelo PT, mas sobre bases mais direitistas. 

Mais direitista porque embora tenha uma política oportunista e burguesa de modo geral, o PT tem uma ampla base popular e operária, em especial o setor lulista. Basta ver que uma das principais bases petistas é a Central Única dos Trabalhadores, que reúne alguns dos principais sindicatos operários do país. 

Independentemente da vontade do PT, essa base exerce uma pressão muito grande sobre o partido e a burguesia precisa levar isso em consideração ao colocar o PT no governo.

Com a frente ampla, o que a burguesia está procurando fazer é uma frente popular que exclua o seu setor socialmente importante, colocando setores da esquerda que, pela falta de lastro social, são muito mais fáceis de manipular.

Com o golpe e a polarização, a burguesia perdeu parte de sua base, em uma medida para a direita e em outra para a esquerda, esvaziando o centro.

O que procuram agora é reconstituir esse centro que foi espatifado pela pressão política.

Além de ser uma operação muito complexa, há um grande obstáculo, que é o ex-presidente Lula. Ao cassar seus direitos políticos, esse centro conseguiu certa margem de manobra. Em 2018 acabaram por apoiar Bolsonaro e agora, contando que Lula permanecerá sem direitos, tentarão emplacar um candidato postiço.

Essa manobra é feita geralmente com o truque do espantalho, em que um candidato impopular é eleito porque tem maiores chances de ganhar contra outro candidato muito direitista e, assim, agrupa o eleitorado mais democrático.

A frente ampla tem como objetivo levar a esquerda a apoiar o candidato “menos direitista”. A esquerda compactuar com tal manobra é uma verdadeira vergonha. Deslocar o eleitorado não é um fenômeno puramente eleitoral. Isso provoca efetivamente um deslocamento à direita, uma evolução política direitista. Se o eleitorado é convencido e concorda em votar em um elemento da burguesia, como Ciro Gomes ou Bruno Covas, com a consideração de que o oponente é uma opção pior, ele já está elaborando uma política que inclui esse setor e sua política direitista. 

Muitos setores ignoram isso quando elaboram a política do voto útil. Trata-se de um voto de compromisso, que confunde e promove uma “direitização” na base da esquerda. Esse é efeito da política de frente ampla.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas