Luta contra o fascismo virtual
Os ataques recentes à imprensa de esquerda na internet colocam em questão a necessidade da criação de um Comitê de Autodefesa virtual, que possa enfrentar os fascistas nesse meio
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
renata souza hackers
Pré-candidata a vereadora do PSOL, Renata Souza, teve lançamento de candidatura invadido por hackers | Foto: Reprodução

Os ataques recentes realizados por hackers de extrema-direita contra o Diário Causa Operária, os quais vêm sendo amplamente denunciados por nós e cuja campanha de denúncia já rendeu centenas de vídeos e notas de solidariedade, colocam em questão uma importante pauta que – a cada dia mais – tem se mostrado central na luta contra o fascismo: a defesa virtual dos meios de comunicação da esquerda na internet. 

A onda de ataques virtuais tem crescido e outros meios progressistas já foram vítimas dessa investida direitista e anti-democrática, que procura calar e suprimir todo e qualquer discurso que denuncie a ação da direita e da extrema-direita. O site Ponte jornalismo e também o jornal virtual A nova democracia foram atacados por hackers em um período recente. 

Além deles, páginas de sindicatos como a da Fentect, dos Correios, e também lives de lançamentos de candidaturas de partidos de esquerda, como no caso da pré-candidata a vereadora do RJ pelo PSOL, Renata Sousa, foram também invadidos e sabotados com imagens de pornografia, morte, mutilação, pedofilia etc. numa clara tentativa de intimidar os espectadores dos eventos e de sabotar estas candidaturas de esquerda.

Essa prática criminosa e destrutiva da extrema-direita precisa ser amplamente denunciada por toda a esquerda de conjunto, desde jornais ligados a luta popular, passando pelos partidos e pelas principais lideranças, que devem se posicionar de forma firme e combativa contra esta prática de fascismo virtual.

No entanto, apenas a denúncia não é suficiente. É preciso compreender que esses ataques não são muito diferentes de ataques físicos feitos a sedes de partidos, sindicatos ou jornais, e só irão retroceder se a esquerda se defender de forma enfática e procurar revidar os ataques sem vacilações. 

Em um vídeo gravado em apoio ao DCO, o professor Sérgio Amadeu, também pesquisador da UFABC e ex-presidente do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, propõe que seja criada uma frente única entre os movimentos de esquerda, com uma dimensão técnica, para enfrentar esse tipo de agressão, visto que a intenção dos agressores é a destruição e não mostra sinais de que irá parar. É a política dos Comitês, aplicada no âmbito virtual; uma espécie de Comitê de Autodefesa digital, que esteja pronto para dar combate a essas organizações fascistas neste meio.

Esse é o caminho correto, não só os movimentos, mas os veículos de imprensa de esquerda, que procuram defender a luta da classe operária e os direitos democráticos de população, devem todos se unir numa frente única contra o fascismo, que avança a cada dia e que só será freada com a união de todos que acreditam na importância da luta contra a extrema-direita.

Nesse sentido, é preciso, também, enfatizar a necessidade de um segundo ato em defesa do Diário Causa Operária, que sofreu outro ataque nesta última semana, e convocar todos a participarem e a apoiarem não apenas este, mas todos os meios de comunicação progressistas e de esquerda.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas