Janaína Paschoal propõe
Deputada estadual pelo PSL-SP atribui um crescimento aquém do esperado do campo conservador nas eleições de 2020 ao “estilo” de Bolsonaro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
paschoal
Uma das principais vozes da extrema extrema direita no impeachment de Dilma agora pede moderação | Arquivo

“Falta um pouco de conteúdo, e precisa de menos rede social, menos pancadaria”, disse a deputada estadual Janaína Paschoal à Folha de S.Paulo no sábado (2).

O “fenômeno” (da fraude eleitoral) de 2 milhões de votos em 2018 fez parte da campanha da direita “tradicional” pelo impeachment em 2016. À época, integrou a ala extrema direita da campanha, que atacou a ex-presidenta Dilma Rousseff com muita virulência.

Ela avaliou o resultado das eleições municipais – na qual a vitória coube aos partidos tradicionais da direita – como prova de que a população “se cansou” da política “teatral” de “jogar para a torcida” daqueles que propõem uma “nova política”. A população teria criado uma expectativa grande em relação à direita que “não consegue dar andamento para as pautas”.

Para Janaína Paschoal, a direita erra porque é “muito teatral” e “joga para a torcida” ao invés de atuar de maneira eficiente no Legislativo

Para a deputada, a direita (e ela está se referindo aos partidos e políticos burgueses que tendem à extrema direita, beiram o fascismo) é muito intransigente. “A postura típica de petista virou a postura do bolsonarista, de uma maneira muito agressiva”.

O repórter da Folha tenta extrair dela uma declaração taxativa contra Bolsonaro. Ela, embora “crítica”, permanece entre os que “tentam ajudar”. Negou interesse nos pedidos de impeachment do presidente e ressaltou que os recebe frequentemente, e que em número maior chegam pedidos para impedir Doria.

Ao falar das eleições municipais, não deixou de demarcar seu terreno. “Foi uma disputa de centro-esquerda contra a esquerda”, disse. Afirmou ter votado em Bruno Covas porque a direita não tinha uma candidatura, “por causa da inabilidade da direita”.

A entrevista é interessante apenas na medida em que uma figura escatológica da direita pode ser considerada interessante. Mas ela põe em relevo algo muito peculiar da política brasileira, o paralelo entre a moderação que, segundo ela, falta à extrema direita, e que abunda no meio da esquerda.

“Menos pancadaria”: depois de entrar para a Assembleia Legislativa, Janaína Paschoal aprendeu o que é preciso para manter-se no poder… e quem sabe disputar o Senado

Direita e esquerda estão fazendo um movimento de convergência. A política de frente ampla, que une a esquerda pequeno-burguesa, parlamentar e burguesa à direita tradicional, aos partidos que dominam o regime político desde a ditadura militar (PSDB, DEM, MDB e outros).

Com essa política, a direita tradicional caminha para colocar para escanteio a ala mais agressiva, exaltada e fascista da direita e retomar o controle do governo federal fazendo, por meio de um tortuoso caminho, o país retroceder a uma espécie de “era FHC 2.0”.

Janaína Paschoal é, em alguma medida, consciente de que seu mandato, tanto quanto o de Bolsonaro, está ameaçado. Perguntada sobre qual seria sua base, já que é “rejeitada por bolsonaristas e pela esquerda”, disse: “não sei”, “se o povo quer votar, vota”.

Janaína Paschoal deu a chave para o problema. Se os setores que tendem à extrema direita quiserem continuar a cumprir algum papel relevante (e não voltar à posição de “baixo clero” no Congresso), têm que atuar como políticos burgueses tradicionais, parlamentar ao invés de gritar nas redes sociais. Em outras palavras, para sobreviver, a extrema direita precisa se tornar uma “direita paz e amor”.

Só há um problema: será possível que, neste processo, consigam ocupar um lugar que já está ocupado pelos demagogos profissionais, com longa ficha de serviços prestados à burguesia?

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas