Menu da Rede

Bloco Vermelho conquistou as ruas do Rio de Janeiro

Nem tentem se infiltrar

Uma dica para a direita: fique em casa

"Se pintar fascista, a porrada vai comer" - esse é um dos cânticos mais populares nos atos

Militantes de esquerda se defendem de provocação de elemento fascista (site direitista fez montagem com a bandeira do Brasil) – Foto: Reprodução

Publicidade

Durante todo o período da pandemia, a burguesia orquestrou uma pesada campanha de propaganda em torno da palavra de ordem “fique em casa”.

Por trás da demagogia sanitária, havia um objetivo muito bem definido: impedir que os trabalhadores, os movimentos populares e a esquerda se manifestassem nas ruas contra Bolsonaro e todo o regime golpista.

Essa campanha começou justamente quando o movimento pelo Fora Bolsonaro ganhava força nas ruas, com as mobilizações do 8 de março de 2020. Esse foi o último ato público da esquerda, que, devido à sua dependência da burguesia, foi fisgada pela propaganda do “fique em casa”.

Agora, no entanto, essa campanha foi para a lata do lixo. A esquerda, pressionada pelas bases populares e operárias, que nunca tiveram o privilégio de “ficar em casa”, voltou às ruas. Em massa.

O volume dos atos de 29 de maio e 19 de junho pegou a própria burguesia de surpresa. Ela ficou inquieta. O “fique em casa” foi por água abaixo, foi atropelado a partir do poderoso ato de 1° de Maio na Praça da Sé, convocado pelos militantes do PCO e outras organizações.

Para impedir o desenvolvimento dos atos, que tendem a um enfrentamento direto com Bolsonaro e todo o regime, a burguesia mudou de posição. Já que o povo está na rua e está difícil conter à força, é preciso ir para a rua controlar e acabar com o movimento.

Isso ficou muito claro na nova propaganda da imprensa, de que os atos não podem ser da esquerda, mas de “todos” – isto é, a direita precisa participar. Para quê, para aumentar a pressão pelo Fora Bolsonaro? Logicamente, não. Pelo contrário: para que os atos se transformem em coxinhatos e levem a luta para as instituições, onde o povo não tem vez e quem controla é a direita e o próprio bolsonarismo.

A burguesia tenta uma manobra semelhante à de 2013: fazer uso do seu “estepe”, ou seja, os elementos da extrema-direita, para dominar os atos. Daí as palavras de ordem que começam a ressurgir: “sem partido”, “abaixa essa bandeira e levanta a do Brasil”.

Em 2013, esses elementos fizeram uso da força física para intimidar os manifestantes da esquerda e acabar com os atos.

Desta vez, não vamos deixar.

A direita pode pensar que seus elementos fascistas são os únicos que sabem fazer uso da força física. Ledo engano. O próprio MBL, que cogita se infiltrar nos atos, já sofreu na pele a fúria das massas. Se aparecer novamente, mesmo disfarçado, pode se preparar para o pior.

Nos numerosos atos de rua realizados pelo PCO e pelos Comitês de Luta desde o ano passado – os únicos da esquerda -, uma palavra de ordem tem sido entoada a todo o vapor. E tem sido muito popular. Ela diz: “se pintar fascista, a porrada vai comer”.

Os companheiros das torcidas organizadas mostraram total acordo com essa palavra de ordem nos atos do ano passado na Avenida Paulista. E eles sabem fazer “a porrada comer”. O sabem também os moradores da periferia, tão acostumados com a violência cotidiana. O mesmo vale para muitos operários e ativistas, que clamam pela organização de comitês de autodefesa.

Em mais de uma ocasião, a polícia teve de intervir para salvar a pele dos elementos coxinhas e fascistas que tentaram provocar atos da esquerda. Principalmente onde estavam os militantes do PCO, de outros grupos antifascistas e das torcidas organizadas. Se não fosse a intervenção policial, sempre disposta a reprimir a esquerda e proteger a direita, ninguém sabe o que poderia ter ocorrido com a saúde desses elementos direitistas.

Não há como controlar as massas quando elas estão enfurecidas. E, se aparecerem grupos da direita (mesmo que disfarçados), ninguém fará questão de entrar na turma do “deixa disso”.

Nos atos de 29 de maio e 19 de junho, inclusive, foi notável o “sangue nos olhos” de muitos dos manifestantes, embrutecidos com a raiva por toda a opressão sofrida. Tudo o que esse pessoal quer é extravasar, descontar essa raiva naqueles que representam essa opressão.

À medida que se radicalizam, os atos se tornam mesmo muito perigosos para quem é estranho e hostil à esquerda. Pela própria segurança daqueles que buscam abaixar as bandeiras da esquerda e pintar os atos de verde e amarelo, deixamos uma sugestão sincera: fiquem em casa. Caso contrário, ficarão por sua própria conta e risco.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.