Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Sao Bernado do Campo SP 07 04 2018 O ex presidente Luiz Inacio Lula da Silva no braço do povo depois da missa e discursos em frente ao sindicato dos metalurgicos no ABC Fotos: Ricardo Stuckert
|

Neste 11 de setembro de 2018, a direção do PT intimidada e acuada por uma feroz campanha de cerceamento dos direitos democráticos do ex-presidente Lula, preso injustamente em Curitiba, resolveu substituir a candidatura do principal líder político do país, que se encontrava na dianteira em todas as soldagens eleitorais.

As circunstâncias que levaram a substituição de Lula precisam ser denunciadas, uma vez que as instituições do regime, como o judiciário, não permitiram que até mesmo as normas elementares costumeiras e constitucionais fossem respeitadas. Assim a legislação foi descaradamente alterada para impedir que Lula pudesse exercer o seu direito de se candidatar. Nos últimos dias, os prazos foram alterados ( a legislação garante o direito do Partido ou coligação substituir o candidato até o dia 17 de setembro, mas o TSE impôs o dia 11 de setembro como data limite para a substituição da candidatura). O horário do PT foi censurado, com a proibição do aparecimento de Lula. Por sua vez, porta-vozes dos militares ameaçaram intervir se os direitos de Lula fossem preservados.

Nesse curto período eleitoral, Lula e mesmo Haddad como seu vice, foi impedido de participar dos debates na TV, e a imprensa realizou uma formidável e monstruosa campanha para atacar cotidianamente a candidatura Lula, mesmo antes do julgamento relâmpago do TSE do processo de impugnação, a imprensa capitalista vinculava que Lula não poderia ser candidato.

O crescimento continuo de Lula nas pesquisas eleitorais causaram a queda da bolsa, a alta do dólar e o pânico dos golpistas. A imposição da retirada da candidatura Lula é sem dúvida a questão chave da eleição. Através de toda sorte de expediente, os golpistas colocaram muito claramente que não aceitariam a candidatura Lula. Isso, pelo simples fato que uma eventual vitória do candidato colocaria em xeque o golpe, que se encontra em situação de descompasso.

A candidatura Lula é o ponto fora da curva, e na medida em que o colapso do governo Temer arrastou consigo os partidos tradicionais como o PMDB, PSDB e os partidos do centrão, a realização do processo sucessório, ou seja a substituição do governo golpista completamente desgastado por um “ novo” governo legitimado pelas “ eleições” transformou-se em algo extremamente custoso. Em meio à crise constante, até mesmo a cartada de Bolsonaro ficou completamente comprometida diante o verdadeiro vendaval de apoio popular que a candidatura Lula expressou.

A perseguição contra Lula, sua prisão e finalmente o impedimento da sua candidatura somente confirma que os golpistas têm plena consciência que não podem permitir de forma alguma uma disputa verdadeiramente democrática.

Em 2016, a direita promoveu um golpe de Estado que derrubou a presidenta eleita Dilma Rousseff, através de um impeachment fraudulento. O desenrolar do governo golpista do vice conspirador foi perdendo rapidamente qualquer vestígio de popularidade. Como se sabe, o governo Temer é o governo mais impopular da história do país, que somente se mantém devido a tutela militar. O golpe não gerou estabilidade política, muito pelo contrário, somente fez aumentar a polarização política, incrementando o desprestigio das instituições do regime, sejam elas do executivo, legislativo e do judiciário.  A aplicação do programa golpista como a Reforma Trabalhista, desmonte dos programas sociais, a aprovação da PEC 95, entrega da riqueza nacional, entre muitas outras arrasaram os partidos tradicionais da burguesia que implementaram o golpe.

A completa falta de sustentação popular, mesmo com o jogo manipulado pela mídia, controlado inteiramente pelas instituições dominadas pelos golpistas, além da intervenção direta do poder econômico, a presença de Lula como candidato provocou um tensionamento político e uma ameaça real aos domínio do golpe sobre as “eleições”.

O impedimento da candidatura Lula e a aceitação por parte do PT da chantagem da direita, que mesmo encurralado por todos os lados, somente timidamente esboçou uma reação, restrita na maioria das vezes a medidas legais no interior das instituições, como já assinalamos controladas pelos golpistas tem um alcance histórico fundamental e estratégico.  Ao contrário do entusiasmo de uma parcela da militância petista, que se deixa levar pelas ilusões que podem “ ganhar” e vencer as eleições, através da “ transferência “ ou como dizem os mais afoitos a “ Transposição” de votos de Lula para Haddad, é importante salientar que o dia 11 de setembro representa uma derrota importante para as forças populares.

A direita reacionária identifica objetivamente a liderança popular de Lula como um principal obstáculo a ser enfrentado. Durante os processos eleitorais, Lula e depois sua candidata totalmente desconhecida pelo eleitorado (Dilma) infligiram derrotas sucessivas aos principais caciques políticos burgueses do PSDB. A derrota nas eleições de 2014 mostrou de maneira cabal que não seria através do voto que o PT seria derrotado, por isso a perspectiva golpista presente desde da crise do “ mensalão” passando pelo processo de impeachment de Dilma foi impulsionada. Por sinal, é importante salientar, que a Lava Jato e a retórica contra a “ corrupção” não era destinada apenas para derrubar Dilma, mas para atacar o ex-presidente Lula. Dessa feita, os ataques contra Lula não visavam apenas favorecer o impeachment, mas tinha como objetivo fundamental destruir o “ mito Lula”, apresentado como político “ corrupto e populista”.

O problema colocado para os golpistas sempre foi impedir que um partido de centro-esquerda moderado, com significativa penetração popular, realizador de concessões para os interesses populares pudesse se reconstruir como alternativa viável, mesmo depois de afastado pelo golpe. A questão colocada que era preciso salgar a terra, ou seja, não permitir que o PT, através de Lula, pudesse voltar ao poder. A atuação do Juiz Moro, os ataques constantes da imprensa, em especial da Globo e Veja não são gratuitos, nem  produto de uma perseguição em abstrato, mas sempre buscaram a qualquer custo impedir a presença de Lula nas eleições, uma verdadeira ameaça ao golpe.

De uma forma mais ampla, a força da liderança de Lula é indiscutível, pois conseguiu superar toda a campanha de ataques depreciativos sistemáticos da imprensa capitalista. Fazendo uma analogia histórica, a questão Lula representa um desafio difícil de ser enfrentado pelos golpistas como representou o Getulismo nos anos 50. Por isso, a direita não vacilou em encarcerar o ex-presidente Lula e não permitiu sua candidatura, pois preferiu rasgar qualquer tipo de formalismo e respeito a constituição, despojando-se que quaisquer escrúpulos legais para não ter que enfrentar nas urnas Lula.

Ao contrário da versão fantasiosa que a imprensa golpista procurou passar, não existe nenhum processo democrático eleitoral em 2018. Não se trata disso, mas da realização de um simulacro para garantir de antemão a continuidade do golpe. É preciso compreender que as eleições sem Lula é parte do golpe de Estado. Os golpistas impuseram uma derrota ao movimento anti- golpista. Ao fazer uma encenação eleitoral sem a presença da principal liderança popular, os golpistas se desmascaram ainda mais. Não podemos ceder as arbitrariedades das instituições golpistas, não vamos legitimar a farsa grotesca dos golpistas. Lutar contra o golpe é denunciar que eleições sem Lula é fraude, é golpe!

 

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas