Menu da Rede

Militantes do PCO gravam vídeos denunciando o bloqueio a Cuba

Programa de luta

Um programa dos oprimidos contra a fome causada pelos opressores

Para barrar o genocídio, a fome, o desemprego e a miséria na população brasileira, apenas mobilizando os trabalhadores com um programa de luta próprio

Tomar às ruas contra os golpistas – Reprodução

Publicidade

A miséria e a fome não param de crescer em todo país. Segundo dados divulgados pelo Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar, os números oficiais de brasileiros em situação de fome já superou 19 milhões no final do ano de 2020.

Os números correspondem ao primeiro ano da pandemia, mas não só isso, comprovam um grande empobrecimento de toda população brasileira durante o regime golpista. Em 2018, quando Bolsonaro foi eleito ao poder, o Brasil nas mãos de MDB, PSDB e demais, já somava 10,3 milhões de pessoas sem ter comida para por na mesa. Com Bolsonaro, o que já era desastroso pirou, com um aumento de quase 9 milhões em dois anos.

São 120 milhões passando fome

Contudo, este número não passa da superfície do problema, pois, segundo estatísticas levantadas e divulgadas pela própria imprensa burguesa, já existem outros 120 milhões de brasileiros em “insegurança alimentar”. A categoria expressa o que na realidade são a grande parcela da população que passa fome no Brasil. Baseando-se neste dado, o país de 211 milhões de habitantes, tem mais da metade de população em uma situação de completa miséria.

Estes dados são o resultado do golpe de estado no Brasil, da política do que hoje é chamada de direita “civilizada”, do governo bolsonarista e da política imperialista que atinge o país.

A imprensa burguesa busca colocar fatores secundários como os verdadeiros culpados por este crime contra a população. Questões como a pandemia, falta de merenda nas escolas devido a seu fechamento, inflação entre outros problemas nada mais são que o resultado da política golpista contra a população, por isso, é necessário neste momento, que os partidos de esquerda e organizações populares apresentem um plano de luta para a classe trabalhadora.

Em primeiro lugar é necessário combater a fome e a miséria. Para isso, um é fundamental exigir um auxílio emergencial de ao menos 1 salário mínimo. A retirada dos R$600 reais de auxílio, que não alimentava uma família trabalhadora, correspondeu a um aprofundamento geral da miséria e da fome. Defender um auxílio que atenda as necessidades da classe operária, é questão de sobrevivência para a população brasileira, ainda mais em meio a pandemia e aumento da inflação.

Rumo ao 1 milhão de mortos

Junto ao problema da fome, a pandemia é um dos maiores responsáveis pela grande mortandade produzida pelo regime golpista. São já cerca de meio milhão de mortos, e pesquisas realizadas já mostram que até setembro o país pode atingir, segundo números oficiais, 1 milhão de pessoas mortas pelo novo coronavírus.

Para combater a pandemia em primeiro lugar é preciso exigir a quebra das patentes de todas as vacinas e insumos relacionados. Um dos principais problemas no Brasil e em todos os países atrasados é a política do imperialismo de total monopólio das vacinas. Sobretudo países como Estados Unidos e Inglaterra que detém parte considerável da produção seguraram para si as vacinas, vacinando primeiro suas populações para impedir o aumento da crise e empurrando a catástrofe para os países atrasados.

Com a quebra das patentes abre-se a possibilidade de uma produção em massa de vacinas no Brasil. Contudo, um dos principais apoiadores desta política imperialista é justamente o regime golpista brasileiro. Se depender do governo Bolsonaro e dos governadores locais não haverá vacina para a classe trabalhadora brasileira.

Apenas tomando as ruas e exigindo a vacinação completa da população que a classe trabalhadora poderá garantir sua sobrevivência em meio a pandemia.

Para combater o desemprego e a fome

Outra reivindicação fundamental é a defesa da redução da jornada de trabalho para 35 horas semanais. Enquanto a crise aumenta, o desemprego da população cresce paralelamente. Segundo números oficiais do governo brasileiro, o país já teria mais de 14 milhões de desempregados, contudo, ao se somar com o restante da população classificada no chamado “trabalho informal”, o número aproxima-se de 50% da população. A situação é drástica, é necessário que seja exigido a redução da jornada de trabalho para 35 horas semanais, com a manutenção do salário, com o objetivo de abrir novos postos de trabalho. A classe trabalhadora não pode arcar com a falência dos grandes capitalistas.

Ligado a esta questão o programa de necessidades da classe operária brasileira deve incluir o aumento do salário mínimo para um valor que possar dar uma vida digna a uma família operária. Em meio ao aumento da inflação, alta de preços do gás, água, luz, aluguel e alimentação, para um trabalhador brasileiro ter direito a tudo que a constituição coloca -moradia, comida, lazer, etc.

Neste caso não apenas exigir o aumento do salário mínimo é preciso, como também exigir a proibição de despejos durante a pandemia, proibição de cortes de luz e água, assegurando os meios necessários para os trabalhadores viverem durante a crise.

É necessário tomar às ruas!

É perceptível que os ataques vem por todos os lados. Além destes problemas que estão diretamente ligados a sobrevivência dos trabalhadores, é preciso lançar-se em uma forte mobilização contra as privatizações, que significam mais um ataque ao emprego e aos direitos trabalhistas de milhões de pessoas. Com isso, a esquerda deve exigir nas ruas a estatização de todo o sistema de saúde, como também das principais áreas estratégias, como energia, gás, petróleo, etc.

É preciso colocar todas estas áreas fundamentais para o combate a pandemia e a crise nas mãos da classe trabalhadora. Todas estas reivindicações, o Partido da Causa Operária já havia apresentado como programa de combate a pandemia e a fome no início do que seria este histórico genocídio promovido pelos golpistas.

O tempo passou, contudo as reivindicações estão são mais urgentes do que nunca. Para barrar o genocídio, a fome, o desemprego e a miséria na população brasileira, apenas mobilizando os trabalhadores com um programa de luta próprio, impondo a burguesia suas reivindicações.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.