Uma conciliação impossível
Governador do Maranhão Flávio Dino (PCdoB) propõe acordo junto ao presidente ilegítimo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bolsonaro
Bolsonaro oferece banana em resposta a Flávio Dino | Foto: Reuters

Na última segunda-feira (27), o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), enviou um ofício ao presidente ilegítimo Jair Bolsonaro. O documento propunha uma reunião de todos os governadores do País e a discussão sobre a criação de “Pacto Nacional pelo Emprego”. No ofício, Dino cita os dados apresentados pelo próprio ministro da Economia, o “chicago boy” Paulo Guedes, e defende um plano de emergência para evitar o aumento do desemprego.

No dia seguinte, Bolsonaro respondeu ao ofício, demonstrando total desinteresse com a proposta. O presidente ilegítimo criticou o governo do Maranhão — “Governador agora quer que eu faça um pacto pelo emprego, mas ele continua com o Estado fechado” — e ainda ofereceu uma banana a Flávio Dino.

Dino já havia sido criticado antes por Bolsonaro. Na época, veio a público um vazamento do presidente ilegítimo, em que dizia que Flávio Dino era o pior dos “paraíbas” — isto é, dos nordestinos.

Esse acontecimento, que não causa surpresa para absolutamente ninguém, demonstra, mais uma vez, a falência da política de conciliação de classes. Mais do que uma conciliação de classes, trata-se de uma proposta de aliança com a extrema-direita. Como uma “jogada de marketing” por parte de Flávio Dino, o ofício pode ter algum efeito, mas como política para atender às demandas dos trabalhadores, logicamente que será inócua.

A aliança é inócua porque, acima de tudo, Bolsonaro é o maior responsável pelo desemprego no País. Desde o golpe de Estado de 2016, a direita vem promovendo uma política agressiva contra os trabalhadores, procurando descontar todo o ônus da crise capitalista sobre as costas do povo. Essa política, que, entre outras coisas, levou ao fechamento de milhões de postos de trabalhos, é a razão para o desemprego. Com o governo Bolsonaro e com a pandemia de coronavírus, isso apenas se acentuou.

Não há qualquer perspectiva positiva, portanto, em uma aliança com o governo Bolsonaro, nem mesmo se colocada essa aliança em um âmbito supostamente administrativo. É preciso mobilizar os trabalhadores pela derrubada do governo Bolsonaro, fascista e inimigo do povo, e pela derrubada do regime político estabelecido desde o golpe de Estado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas