Bancada antibala
Policiais Antifascismo criam a bancada antibala para defender a polícia e as forças de repressão
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Policial Antifascista. Foto: Pedro Chê/Página do Facebook
Movimento criado para combater os "excessos" da polícia | Foto: Reprodução

Diante do aumento da violência policial e de a polícia estar abertamente apoiando o fascista Jair Bolsonaro e sua corja dentro do governo, a imprensa burguesa tem propagandeado o movimento Policiais Antifascismo para mostrar que as forças policiais do Estado poderiam funcionar de outra maneira e não alinhada ao fascismo.

E, novamente, por não possuir uma política própria que defenda a população, a esquerda caiu de cabeça e abraçou a bandeira de defender uma polícia mais “humana” e “preparada”, mas que mantém a mesma estrutura controlada pelo Estado e, consequentemente, pela burguesia, que impulsiona o fascismo.

Tanto é assim que até se está lançando candidatos e propondo a formação de uma bancada “antibala”. Segundo o próprio movimento Policiais Antifascismo, “O movimento de policiais antifascismo está lançando 8 pré-candidatos para as eleições em 2020, formando a Bancada Antibala. Pretendem concorrer à câmara municipal em diversas cidades e por se tratar de um movimento suprapartidário, unido por causas e lutas comuns, há também uma grande diversidade de partidos”. Mas, em geral, esses policiais estão dentro de partidos de esquerda como o PT e o PSOL.

Defesa de pautas que reforçam o papel repressivo da polícia e o monopólio das armas pelo Estado

Como o próprio movimento diz, ele defende uma política que reforça a estrutura da polícia nas mãos da direita. Isso porque defendem que a polícia seja desmilitarizada, mas a grande maioria fascista da corporação continuaria no papel de “agente de segurança”, realizando rondas, abordagens e investigações, além de reprimir em caso de greves e manifestações. Ou seja, o fascista só mudaria de “roupagem”, mas realizaria as mesmas atrocidades e cumpriria ordens do Estado controlado pela burguesia.

Outro ponto é a defesa de mais treinamento e equipamento para que as forças de repressão cumpram seu dever. Dever esse que precisa ser entendido como o ataque aos trabalhadores. Resumindo: mais condições para reprimir a população.

E nesse momento levantam a formação de uma bancada antibala, que significa retirar da população o direito de se armar e se defender do Estado inclinado cada vez mais ao fascismo e da direita que está cada vez mais violenta nas ruas, garantindo ao Estado e à burguesia o monopólio do armamento.

Um movimento impulsionado pela burguesia para manter o controle da polícia

O movimento dos Policiais Antifascismo, apesar de ser um movimento com uma cara de esquerda, está sendo impulsionado pela burguesia num momento em que a extrema direita avança e fica cada vez mais claro o papel das forças policiais do Estado em atacar a população, causando grandes revoltas pelo mundo, como no caso que gerou mais protestos pela morte de George Floyd nos EUA.

Os trabalhadores têm questionado cada vez mais a atuação da polícia, e não é por acaso que surge um movimento com uma fachada esquerdista, mas que serve aos interesses da direita de manter o controle das forças policiais pelo Estado para reprimir o povo.

É uma maneira de evitar o questionamento da função da polícia afirmando que uma outra polícia é possível, mas que mantém o controle das forças policiais pelo Estado e não pela população.

É preciso defender as bandeiras de extinção da polícia atual

A esquerda não pode seguir à reboque da política da burguesia e propor medidas de segurança que reforçam o aparato policial e de repressão estatal. O programa que deve ser defendido pela esquerda é a dissolução das forças policiais, e que os policiais atuais não cumpram nenhuma função de segurança ou atividade parecida. Foram formados para perseguir e reprimir a população, e isso não vai mudar enquanto existir essa força repressiva.

A população deve constituir seus próprios grupos de defesa e segurança, as milícias populares. Com pessoas eleitas pela comunidade para poder fazer a segurança do povo contra as investidas da PM, que se dão, sempre, contra pessoas desarmadas, indefesas.

É preciso a criação de polícias municipais sob o controle popular e dos comitês de autodefesa armada da população.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas