Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Arsenal's Mesut Ozil celebrates scoring a goal during the English Premier League soccer match between Arsenal and Aston Villa at the Emirates stadium in London, Sunday, Feb. 1, 2015. (AP Photo/Kirsty Wigglesworth)
|

O meia alemão Mesut Özil anunciou domingo (22) que deixaria de jogar pela seleção de seu país. Özil, que é filho de imigrantes turcos, denunciou o racismo da imprensa, dos torcedores e até dirigentes alemães. O meia foi muito criticado por desemprenho na Copa do Mundo, em mais um exemplo do que acontece em toda a Europa: quando o time nacional perde, colocam a culpa nos imigrantes.

Os ataques racistas, no entanto, vieram antes do desenlace da competição. Özil foi xingado por torcedores, em termos racistas, por tirar fotos com o presidente da Turquia Recep Erdogan antes da Copa do Mundo. O presidente turco tem uma disputa com a chanceler alemã Angela Merkel, que inclusive proibiu comícios de Erdogan nas cidades alemãs.

Um ministro do governo turco se pronunciou sobre a decisão de Özil. Abdulhamit Gul, ministro da Justiça, disse que Özil fez “um golaço contra o fascismo”. Uma afirmação que deverá causar irritação entre os racistas da torcida e da imprensa alemãs. Casos como o de Özil desmascaram fantasias sobre a “democracia” em países imperialistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas