Demagogia
Setores da pequena burguesa saíram em defesa da primeira-dama de Porto Alegre alegando suposto “machismo”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
tainá
Primeira-dama Tainá Vidal ao lado do prefeito de Porto Alegre | Foto: Joel Vargas/PMPA

Nessa semana, a burguesia sacou uma tese bastante curiosa para justificar a sua política de franco ataque ao povo em meio à crise capitalista e à crise do coronavírus: a de que as críticas e os xingamentos que foram feitos recentemente à esposa do prefeito de Porto Alegre seriam uma prática “machista”. Será mesmo?

O fato é que Tainá Vidal, esposa de Nelson Marchezan (PSDB), publicou uma foto recente fazendo um tratamento estético. Depois de ter sido criticada por um humorista, a primeira-dama apagou a publicação. Obviamente, qualquer mulher tem todo o direito de fazer um tratamento estético, mas publicar isso no momento em que o País está chegando a marca de 100 mil mortos por COVID-19 mostra a verdadeira cara da direita.

No Rio Grande do Sul, mais de 76 mil pessoas foram contaminadas pelo novo coronavírus. Mais de 2,1 mil pessoas perderam a vida. Assim como em todo o Brasil, a política do governo do Rio Grande do Sul e da prefeitura de Porto Alegre é um total desastre. Criticar Tainá Vidal por fazer pouco caso da pandemia de coronavírus — isto é, de fazer tratamento de estética quando seu marido foi incapaz de construir um único hospital — não é uma crítica pelo fato de ela ser mulher, mas sim uma crítica à política da direita golpista.

O caso do tratamento estético não é o único exemplo utilizado pelos defensores da tese de que Tainá Vidal sofre “ataques machistas”. Mesmo que sua figura não aparecesse em público, é mais do que natural que ela seja odiada, pois é um símbolo da gestão de Marchezan. O ódio a Vidal ou a outros membros da família de Marchezan não são motivados pelo interesse em oprimir as mulheres, mas são a expressão da revolta contra a política neoliberal. Marchezan é um típico representante da direita golpista, inimigo dos trabalhadores, servidores e todo o povo.

O fato é que, se fôssemos levar à risca a tese das “feministas” de Porto Alegre, teríamos que começar a condenar as pessoas que chamarem o prefeito de “filho da p…”, pois estaria xingando a mãe do prefeito, que nada tem a ver com a história. Algo, como se vê, absurdo e inócuo.

Podemos discutir se a melhor estratégia para enfrentar a direita é xingar ou não a esposa do prefeito. Trata-se, portanto, de um outro debate. Mas não é isso o que aquelas que se apresentam como “feministas” defendem. O que defendem é uma condenação moral — e, portanto, reacionária — contra os setores verdadeiramente oprimidos, aqueles que são vítimas da política de Marchezan.

Esse “feminismo”, em defesa da política da direita e do imperialismo, de nada serve às mulheres. Na verdade, as pessoas que defendem Tainá Vidal em nome do “feminismo” simplesmente estão cedendo à capitulação de vários grupos feministas que, pressionados pela direita, tornaram-se completamente desorientados e passaram a defender a sociedade burguesa com unhas e dentes.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas