2020
Uma retrospectiva do ano a fim de tirar as lições para 2021
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
pco
PCO chamou a mobilização | Arquivo DCO.

A pandemia do coronavírus, que assolou o mundo no início de 2020 veio para aprofundar uma crise econômica e levar o planeta ao que pode ser a maior catástrofe da história.

Até agora, são um milhão e oitocentas mil morte oficiais pelo coronavírus. Logicamente que a esmagadora maioria dessas vítimas – devemos incluir também os 82 milhões de casos – são da classe trabalhadora e das camadas mais esmagadas da população mundial. O capitalismo provou seu fracasso e decadência.

No Brasil, o ano termina próximo das 200 mil morte oficiais. A burguesia, em nenhum lugar do mundo e em particular no Brasil, não fez nada para conter o problema a não ser muita demagogia. Enquanto dizia para a classe média “ficar em casa”, com uma propaganda piegas e de muito mau gosto, mandava seus escravos modernos trabalharem nas fábricas, nos correios, nas entregas, na limpeza urbana, nos mercados, nos transportes, na construção civil. E a classe operária adoeceu.

Enquanto isso, diante da crise, os capitalistas trataram de fazer aquilo que eles sabem fazer: aumentar a exploração da população para garantir que seus lucros aumentassem mesmo diante de tamanha crise.

Trilhões foram distribuídos para os banqueiros e para os grandes capitalistas, Demissões foram distribuídas para os trabalhadores.

No Brasil, o governo Bolsonaro e os golpistas em geral, encarregados dos grandes capitalistas, agravaram essa situação aproveitando a crise para aprovar leis criminosas contra os trabalhadores.

Logo no início da pandemia, Bolsonaro e Guedes, com o apoio de todos os golpistas “civilizados”, permitiram que os patrões rebaixassem salários e suspendessem contratos de trabalho.

O cenário, vendo em perspectiva, não poderia ser pior: doenças, mortes, aumento da miséria e do desemprego, que atingiu cerca de 50% da população ativa. Tudo isso agravado por uma inflação galopante.

Todos esses ataques aos direitos dos trabalhadores apenas se aprofundaram, num continuidade do que já estavam fazendo os golpistas com a reforma da Previdência, reforma trabalhista, terceirização.

E a esquerda diante desse cenário? Simplesmente saiu de cena.

Saiu de cena politicamente, se anulando diante da orientação da burguesia. Seguiu no compasso da direita e ficou em casa, se recusando a mobilizar o povo. Se colocou a reboque da direita na política de frente ampla e se absteve de apresentar uma política própria, uma saída para os trabalhadores e as massas exploradas.

O PCO chamou atos, organizou os conselhos populares a fim de propor uma política que apontasse uma saída para a crise econômica e a pandemia, enquanto a maior parte da esquerda ficava em casa.

A esquerda pequeno-burguesa assistiu aos ataques às condições de vida da população sem mover uma palha.

A lição para 2021 é fazer o exato oposto. É preciso ir às ruas, mobilizar o povo, derrotar Bolsonaro e todos os golpistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Sobre o Autor
Publicidade
Últimas
Publicidade
Mais lidas hoje