Retrospectiva 2020
Ano marcou um expressivo aumento da brutalidade contra a população negra
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
2490482791_7bce329202_c
Mendigo em Ouro Preto/MG. Mudanças vieram em 2020, porém para pior | Foto: Fabio Maciel

No ano em que o mundo parou, uma pandemia mudou completamente nosso cotidiano porém algo não mudou em essência. O povo negro continua oprimido, violado e assassinado, pela violência (de origem estatal ou privada), por fome e doenças, e isso muito antes de qualquer pandemia ou crise econômica. O povo negro é atacado economicamente e impedido de obter sua subsistência dignamente.

A maior parte dos desempregados de nosso país (64%) também são negros. Com o aumento geral da pobreza, o fim do auxílio emergencial e a completa falta de política de enfrentamento aos efeitos econômicos da pandemia de Covid-19, 12 milhões de brasileiros serão empurrados para a extrema pobreza e a maioria desses cidadãos são negros.

A polícia, braço armado da ditadura burguesa, reforçou sua predileção pelos negros como alvo de sua brutalidade. Foram diversos casos emblemáticos de violência durante o ano.

Nos EUA, o caso George Floyd, assassinado por policiais em maio, publicamente e enquanto implorava por sua vida, suscitou a revolta da população negra por todo o mundo. O movimento Black Lives Matter promoveu protestos enormes em plena pandemia enquanto iniciativas como o Not Fucking Around Coalition (NFAC), organização dedicada a autodefesa da comunidade negra americana, anunciavam uma disposição da população negra em ser mais consequente na sua defesa e independente do Estado americano.

No Brasil, nem as crianças foram poupadas. Em maio o menino João Pedro foi assassinado durante operação policial em São Gonçalo/RJ, gerando revolta nacional, contudo nem este e outros casos diminuíram a brutalidade policial. Em dezembro, já totalizavam 12 assassinatos de crianças.

Além das crianças, muitos outros casos de barbaridade foram registrados à luz do dia e sem medo da punição. Um dos mais emblemáticos foi o assassinato torpe e sem motivos, por policiais cariocas, de dois jovens negros pelo crime de andar de moto no bairro em que moravam. O crime, ocorrido em 14/12 foi gravado por câmeras de segurança da localidade.

A Rede de Observatórios de Segurança, grupo que reúne estatísticas da violência em diversos estados da federação, relatou em julho de 2020 que 75% dos mortos pela polícia no Brasil são negros. E isso não se restringe aos Estados governados por simpatizantes de Jair Messias Bolsonaro. Na Bahia, berço da maior população negra fora da África e governada pelo petista Rui Costa, 96,9% das vítimas dos assassinatos cometidos pela polícia eram negros.

Enquanto tudo isso ocorreu, autoridades de todos os níveis deram declarações da inexistência de racismo no Brasil. O caso mais emblemático envolveu o vice-presidente Hamilton Mourão, que em novembro, mês da Consciência Negra, resolveu afirmar que não existe racismo no Brasil.

A declaração de Mourão, por sinal, se deu em meio a outro caso que levou a uma comoção popular. No dia 19 de novembro, véspera do dia da Consciência Negra, João Alberto Silveira Freitas, foi brutalmente espancado e asfixiado até a morte por seguranças de um supermercado da rede Carrefour, em Porto Alegre. E este não foi um caso isolado de violência por forças privadas durante o ano de 2020.

2020 foi muito difícil e 2021 promete ser pior,  e para o cidadão negro o que se avizinha no futuro é nefasto. Mas há esperança. A luta da classe trabalhadora, a união pela libertação da opressão da burguesia, essa é a resposta para verdadeira libertação da  população negra. Por isso, 2021 será um ano de lutas, pelo Fora Bolsonaro, por Lula presidente e pelo fim do genocídio da população negra.

E que possamos encontrar na luta nossa força e esperança para superar tanta dor.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas