Aqui não se fala mal do futebol brasileiro

Anterior
Próximo

Futebol sem torcida

Um ano e meio do futebol dos sonhos dos capitalistas

Os jogadores de futebol vão se expondo aos riscos de contaminação pela Covid, os torcedores não podem ir aos estádios, os capitalistas vão contando os lucros das transmissões

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

O sonhos dos capitalistas um estádio sem a torcida mas com um contrato milionário de transmissão – Foto: Luciano Silva Site: Flick

O Mundo e o Brasil já estão imersos na maior crise sanitária dos últimos cem anos. Uma pandemia que já ceifou mais de 3,5 milhões no mundo e pelo menos 460 mil mortes registradas no nosso país. Para enfrenta-la surgiu o slogan do “Fique em casa”. Entretanto logo foi vista a farsa deste slogan, pois para trabalhadores de vários setores econômicos não foi permitido adotar esta postura.

No primeiro momento, a atividade futebolística profissional foi praticamente paralisada no mundo inteiro. Contudo, a pressão para cumprir os contratos com as transmissões dos jogos começaram a forçar o retorno das competições independente da situação da pandemia.

As justificativas encontradas para o seu retorno seriam a necessidade de fornecer uma atração para os amantes do futebol que estariam em casa e permitir os pagamentos dos profissionais envolvidos na atividade futebolística. A solução seria a adoção de protocolos que em teoria evitariam o contágio de uma doença na época desconhecida aos seus efeitos no corpo humano ainda que se mostrasse mortal para certos casos.

Assim, em 2020, a Alemanha, em maio, seguida pela Inglaterra, em junho, e depois por outros países europeus retomaram os jogos sem permitir a presença do público. A partir desta retomada na Europa, as federações de futebol brasileiras com o apoio do governo Bolsonaro interessado em mostrar que a Covid-19 não passava de uma “gripezinha” começaram a forçar o reinício dos campeonatos estaduais.

A própria Confederação Brasileira de Futebol forçava a situação marcando o início do campeonato brasileiro para agosto do ano passado, alegando a adoção dos protocolos e da realização dos testes iriam proteger os participantes.

As partidas também seriam sem público e nisto atenderiam ao desejo dos donos do dinheiro no futebol, pois a presença dos torcedores nos jogos sempre é uma variável que não se pode controlar. Uma vez que os capitalistas não sabem o que a paixão e a energia dos torcedores podem provocar em um jogo. Quem frequenta as arquibancadas sabe que a ira dos torcedores pode ser dirigida a qualquer um, jogador, técnico, dirigente e governante.

Os capitalistas não querem isto. Eles não querem torcedores, querem consumidores. Se possível assistindo pelas emissoras ou pelas plataformas de internet para garantir os contratos milionários. Como um exemplo: a própria CBF arrecadou mais de R$ 365 milhões reais só de patrocínio e R$ 164 milhões de reais em direitos de transmissão e comerciais em 2020 segundo o balanço divulgado no seu site.

Preferem as arenas vazias no máximo agora permitidas aos convidados dos dirigentes para poderem fortalecer suas ligações políticas. Diferentes dos torcedores que amam os seus times e adoram os confrontos com os seus rivais históricos, os capitalistas veem o futebol como um meio de ganhar dinheiro se eles perceberam que outra atividade pode proporcionar mais lucro vão abandona-lo não sem antes destruí-lo como bons parasitas.

Entretanto os torcedores como representantes da classe trabalhadora não podem desanimar, o futebol só ganhou a dimensão que possui, pois a classe trabalhadora mundial o abraçou e assim não se deve permitir que os capitalistas façam o que bem entendem. Os torcedores devem ser organizar e defender que sejam levadas em conta de modo efetivo e não somente medidos por quando compram itens do seu time do coração.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.