Bancada ruralista
Convidados do 1° de Maio, dia de luta dos trabalhadores, fazem parte da ala mais reacionária do país e atuam contra os trabalhadores do campo e da luta pela terra
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
O presidente da União Democrática Ruralista, Luiz Antônio Nabhan Garcia, fala com jornalistas após visita ao candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro.
Nabhan, um dos principais apoiadores da bancada ruralista. Imagem: reprodução. |

O 1° de Maio apresentado pela CUT e as centrais pelegas diretamente ligadas aos patrões, como Força Sindical, traz a participação de elementos da direita e extrema-direita, o que deixa a militância de esquerda estarrecida.

Foi divulgado que o ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso, o governador de São Paulo João Doria, o governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel, o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia e Ciro Gomes, um elemento da direita apresentado como esquerdista, participarão do dia de luta dos trabalhadores.

O PCO já vem denunciando e convocando os militantes sérios e que não compactuam com essa política a boicotar esse primeiro de maio recheado de bandidos políticos que são responsáveis pela situação política atual. Mas neste artigo gostaria de denunciar a manobra traidora dessas direções em convocar elementos que atuam contra os trabalhadores rurais, trabalhadores sem-terra, indígenas e outros povos tradicionais que lutam pela bandeira da reforma agrária.

Boa parte desses bandidos políticos citados acima está ligado a um dos setores mais atrasados do país, o latifúndio. Os partidos desses elementos, o Democratas, PSL, PSDB e PDT são os principais representantes da chamada bancada ruralista. A bancada ruralista é responsável por atacar duramente a luta pela terra e impor leis que dificultam desapropriações e punem lideranças de movimentos sociais, como o MST e os indígenas. A bancada ruralista também articula o fim das ações do Ministério do Trabalho contra o trabalho escravo, que tanto assola os trabalhadores do campo; a começar pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que faz parte formalmente da bancada ruralista, e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), onde o Democratas é um dos principais representante da bancada ruralista na Câmara com 22 parlamentares de um total de 28.

O partido de Witzel, o PSL conta com 25 parlamentares; o PSDB, com 16 de um total de 32; e PDT com 11 parlamentares de 28; ou seja, partido em que mais da metade de suas bancadas fazem parte dessa frente contra os trabalhadores do campo e a luta pela terra.

João Doria, tucano declaradamente bolsonarista durante as eleições, sempre atacou o MST quando teve oportunidade. Fez de tudo para evitar que a 4ª Feira Nacional da Reforma Agrária, fosse realizada e não permitiu a liberação do Parque da Água Branca para a realização da feira, o que acabou por forçar a cancelamento dela. Doria também é responsável por dezenas de despejos de trabalhadores sem-terra no Estado de São Paulo e sempre atacou publicamente o MST.

Outro tucano conhecido é Fernando Henrique Cardoso. o FHC, que agora está sendo apresentado como moderado e conciliador. Quando foi presidente da República atacou duramente os trabalhadores do campo e os trabalhadores sem-terra. Seu ataque aos trabalhadores do campo foi tamanho que os dois maiores massacres contra trabalhadores no campo foram realizado no seu governo, como o de Corumbiara (RO), em 1995, e Eldorado do Carajás (PA), em 1996.

Após os massacres, ainda justificou novas medidas de ataques à reforma agrária e editou a MP (medida provisória) 2.027, de 4 de abril de 2000, que impede vistoria de áreas invadidas e decreta seu “congelamento” por dois anos para desapropriação. Além disso, a portaria 62 do ministério, de 27 de maio de 2001, estabelece a exclusão dos beneficiários da reforma envolvidos em ações de invasões a propriedades ou a prédios públicos. Principais medidas que bloqueiam desapropriações de terra e acirram conflitos até os dias atuais.

Essa é uma pequena amostra do que esses bandidos políticos, inimigos dos trabalhadores, fizeram ou representam dentro do parlamento. São bandidos da pior espécie; bandidos que estão vendo o barco furado, que é o governo Bolsonaro, mas que aprovaram todas as medidas do governo de ataques aos trabalhadores e fazem parte de organizações criminosas no campo.

É preciso boicotar esse 1° de Maio com a direita golpista e realizar um independente e classista que organize os trabalhadores contra essa corja de direita e golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas