Intervenção na reitoria
UFS sofre intervenção e governo federa escolhe reitora não aceita pelos estdantes.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Estudantes e professores protestam contra intervenção. | Foto: Ascom/Sintufs
Estudantes e professores protestam contra intervenção. | Foto: Ascom/Sintufs

Na manhã de terça-feira (24), estudantes e docentes protestaram contra a nomeação da interventora Liliádia Barreto na frente da Universidade Federal de Sergipe. 

Os professores e alunos denunciam que a escolha passou por cima da decisão feita pela comunidade acadêmica e que Liliádia foi posta no cargo pelo governo federal pela sua conivência ideológica com o plano de desmonte da educação pública e de cerceamento dos direitos democráticos de se-escolher o reitor e gerir a própria instituição.

Em consulta Pública para a Reitoria, realizada pelas entidades que representam a comunidade acadêmica da UFS, entre dezembro de 2019 e agosto deste ano, já havia sido escolhido um nome para se tornar o próprio reitor de acordo com a vontade dos estudantes e docentes. Estes reclamam pelo direito de que sua escolha seja respeitada.

A UFS já vinha sido imposta uma intervenção quando no dia 15/07 foi nomeado por um Colégio Eleitoral Especial, sem consulta pública, nomeando Valter Joviniano de Santana Filho como reitor. O processo foi criticado mesmo por profissionais que participavam dela com a crítica de que a decisão precisaria passar pelo crivo da comunidade acadêmica como um todo.

Na segunda-feira, 23, o ministro da Educação do Brasil , Milton Ribeiro, decidiu afastar Valter e nomear a então reitora golpista Liliadia da Silva Oliveira Barreto. Esta decisão ditatorial provocou a indignação da comunidade acadêmica levando ao protesto de ontem.

O processo de intervenção nas universidades é intenso levando ao aparelhamento das principais instituições do país por indivíduos coniventes com o governo golpista de Bolsonaro. Se faz necessário greves em todas as instituições de ensino contra o avanço das intervenções e pela autonomia da comunidade acadêmica. Também contra o EAD e a volta às aulas presenciais  neste momento de pandemia, todos planos do governo da direita contra a população.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas