Perseguição aos alunos pobres
Estudante da UFRGS tem matrícula cancelada porque perdeu o prazo da data de avaliação da comissão de aferição por não ter acesso à internet
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
eee
Campus da UFRGS | Foto: Reprodução

Um estudante negro de licenciatura em artes da UFGRS teve sua matrícula cancelada porque perdeu o prazo da data de avaliação da comissão de aferição por não ter acesso à internet, concretizando o verdadeiro obejtivo destes mecanismos usados pela burocracia dentro das universidades, que visam alunos pobres e oriundos da classe trabalhadora, deixando claro também as reais intenções impostas pelo alto escalão do governo e seus planos para a população. 

O caso da UFRGS acende também o alerta para a situação do ensino remoto, uma vez que esclarece o fato de que a universidade não terá problema com a exclusão de alunos que porventura não puderem acompanhar os ritos burocráticos exigidos, inclusive dificuldade ou mesmo inexistência de acesso à internet.

Em meio à crise da pandemia mundial, observamos cada vez mais descaradamente a irracionalidade e a irrealidade dos governantes do País. Serviçais dedicados da burguesia brasileira e imperialista, ao invés de acionar todos os recursos de enfrentamento necessários para resolver a crise sanitária, agora despendem força e energia para assegurar um e continuar o ataque às classes menos favorecidas, desmontando todo e qualquer direito mínimo conquistado pela base. Um exemplo claro dessa política têm sido o avanço do ensino a distância, agora nomeado disfarçadamente de ensino remoto, que exclui e dilacera a educação pública de forma brutal da população. 

Nesse sentido, sabe-se que ataques desta natureza aos estudantes mais pobres não são uma novidade mas tem se aprofundado juntamente com todas as outras questões que dividem e distanciam as classes sociais dentro do Brasil, e isso pode ser observado de forma mais clara e evidente, como já dito antes, nos momentos em que a população se encontra mais vulnerável e completamente sem proteção. Dessa forma a classe opressora usa de todas as suas articulações para enganar e por em prática seus planos com a falsa promessa de mundo igualitário.

Finalmente, fica evidente o plano de governo atual e para quem governa, afinal de contas quanto menos pessoas nas universidades e quanto mais alienada a massa popular entrando no mundo trabalhista, mais as chances de manter a ditatura burguesa acessa, excluindo a maior parte da base popular ao acesso a vida e aos direitos básicos. Os estudantes precisam se organizar por meio de comitês para formar uma mobilização geral contra o ensino à distância e a destruição do espaço universitário, em torno do Fora Bolsonaro, o qual possibilita o plano imperialista para a educação. Pela abertura do acesso ao ensino superior e a formação do governo tripartite nas universidades.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas