UFPE: Pinguim da Privataria quer ser reitor em um possível governo militar

Pinguim da Privataria

Está previsto nos documentos estatutários e regimentais da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) que o reitor e o vice-reitor da instituição devem ser eleitos diretamente pela comunidade acadêmica. Desta forma, discentes, docentes e técnicos administrativos elegem, periodicamente, aquele que ocupará o mais alto cargo da administração universitária. No entanto, o lacaio do imperialismo Rodrigo Jungmann, mais conhecido como Pinguim da Privataria, defende a extinção das eleições para reitor na UFPE.

O Pinguim da Privataria se tornou uma peça fundamental para a direita dentro das universidades e no estado de Pernambuco. Seguidor fiel do astrólogo Olavo de Carvalho, o Pinguim da Privataria é um articulador da extrema-direita, promovendo eventos para a reunião de skinheads, bolsonaristas e bandos fascistas e se propondo como ideólogo de um movimento privatista e pró-imperialista.

A oposição às eleições para reitor não é um mero posicionamento desinteressado do Pinguim da Privataria. Aliado de setores como Mendonça Filho, o Pinguim da Privataria quer se tornar, por meio de uma indicação escusa, reitor da Universidade Federal de Pernambuco.

Mas quais indícios o Pinguim da Privataria já deu para expor seu interesse em se tornar reitor da UFPE? E qual a viabilidade de se tornar reitor, uma vez que o Pinguim é odiado e rejeitado pela maioria dos estudantes e professores?

Há algumas semanas, o Pinguim da Privataria vem utilizando seu perfil no Facebook para negar sua intenção em administrar a Universidade. Já são dezenas de postagens, todas com o mesmo conteúdo: “não quero ser reitor”. Mas qual sentido teria o Pinguim da Privataria insistir tanto que não almeja o cargo, se não houvesse ao menos uma forte aposta no interior da direita golpista para que ele fosse elevado? Por que levantar o debate sobre sua candidatura à Reitoria, se ninguém mais o faz publicamente? É óbvio que colocar o Pinguim da Privataria na Reitoria da UFPE é um dos planos da direita.

A Reitoria da UFPE cair nas mãos do Pinguim da Privataria seria uma grande conquista dos donos do golpe. Declaradamente inimigo do pensamento progressista, o Pinguim da Privataria levaria adiante, caso tornado reitor, uma política de verdadeira guerra contra professores e estudantes: uso constante da truculência policial, “patrulha ideológica”, boicote às cotas, proibição de eventos ligados ao movimento estudantil etc. Em um contexto de aprofundamento do golpe de Estado de 2016, em que a burguesia tenta impor um pacote de duríssimos ataques à população, o Pinguim da Privataria poderia ser bastante útil à direita.

O único empecilho para o Pinguim da Privataria se tornar reitor é o fato de que ninguém da UFPE votaria nele. Mas é justamente por isso que o Pinguim é contra as eleições para reitor: ele só pode ser conduzido ao cargo se for dado um golpe contra as forças progressistas da Universidade. E também é justamente por isso que ele tanto “nega” que queira ser reitor: o faz para sinalizar à direita que a única forma de ele aceitar o cargo é se não for necessário disputar eleição alguma.

Ser indicado ao invés de eleito seria apenas uma abstração, um sonho do Pinguim da Privataria, se não estivéssemos em um golpe de Estado. E é ciente disso que o Pinguim da Privataria falou, em video recente, que o reitor da UFPE não deveria ser eleito, utilizando como justificativa o fato de que é assim que funciona nos Estados Unidos – país tido como culturalmente “superior” pelo Pinguim da Privataria.

A única forma de o reitor da UFPE ser indicado por alguém é se o golpe de Estado se aprofundar rumo a uma ditadura ainda mais explícita contra a população. Em outras palavras, se os militares, que já controlam o Regime Político, tomarem ainda maior protagonismo. Mas como o Pinguim da Privataria é um capacho estadunidense, defensor da ditadura dos golpistas contra a população, um governo militar seria o mais propício para sua atuação como um infiltrado da direita nas universidades.

A influência do Pinguim da Privataria nas universidades deve ser combatida incansavelmente, de modo a colocar a extrema-direita em seu devido lugar. Do mesmo modo, a luta dos estudantes e trabalhadores contra o governo ilegítimo de Bolsonaro deve ser levada com a maior seriedade e tenacidade possível, forçando os golpistas a estacionarem seus ataques. Fora Bolsonaro! Liberdade para Lula! Abaixo o golpe!