UEMS: universitários de medicina fazem protesto contra o sucateamento golpista

UEMS

Da redação – Os estudantes de medicina da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) protestaram vestidos com jalecos brancos na tarde dessa terça-feira,12, na região central de Campo Grande (MS). Segurando cartazes de protesto, eles alegam que estão sem aulas há 45 dias e denunciam descaso do governo tucano do estado.

Os universitários também distribuíram panfletos com reclamações, deixando claro que o curso foi criado em 2015 pelo governo estadual e que não conta com a estrutura para atividades fundamentais. Os laboratórios e bibliotecas estão sem equipamentos, e mais além, que pedidos importantes não tem verba destinada para serem atendidos.

Nota da UEMS

Após reunião deliberativa realizada na última semana, os docentes do curso de Medicina da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), unidade de Campo Grande, decidiram pelo retorno das atividades letivas nesta segunda-feira (11).

Além do concurso para a contratação de professores efetivos que abriu 10 vagas e que está já em andamento, o curso conta com a chegada de oito médicos cedidos, vindos do Hospital Regional, Prefeitura Municipal de Campo Grande e Secretaria de Estado de Saúde (SES). Segundo a coordenação do curso, há a expectativa de chegada de outros dois professores médicos cedidos, cujas negociações já se encontram em estágio avançado.

Materiais de uso didático também foram adquiridos, tais como lâminas, banquetas e bancadas para uso laboratorial. Ainda segundo a coordenação do curso, alguns dos materiais já foram entregues na Unidade da UEMS e outros serão entregues até esta sexta-feira (15), possibilitando o retorno regular das atividades letivas.

A UEMS esclarece que as aulas foram suspensas por decisão do próprio Colegiado de Curso, por conta do período necessário ao atendimento das reivindicações e à adaptação de novos professores. O Colegiado de Curso é o órgão responsável pela supervisão das atividades letivas da graduação.