Novas sanções
O ataque se deve as recomendações imperialistas que não aceitam a vitória esmagadora de Lukashenko, que recebeu 80,1% dos votos.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Lukashenko
Presidente Lukashenko | Reprodução

A União Europeia (UE) anunciou, na última sexta-feira, 05 de novembro, sanções contra mais 15 membros do regime bielorrusso, incluindo o presidente, Aleksandr Lukashenko, e o seu filho, Viktor Lukashenko, conselheiro de segurança. A inclusão das autoridades bielorrussas na “lista negra” da UE é justificada, pela Conselho Europeu, devido as repressões políticas as manifestações da oposição, após a eleição presidencial de 2020 na Bielorrússia.  Quando de fato, sabe-se que o ataque se deve as recomendações imperialistas que não aceitam a vitória esmagadora de Lukashenko, que recebeu 80,1% dos votos.

As sanções, que incluem agora um total de 59 membros do regime bielorrusso, prevê a proibição de viagens para a UE e o congelamento de bens no espaço comum, nos 27 países que compõem a União Europeia. Além disso, cidadãos europeus e companhias estão também proibidos de fornecer fundos aos indivíduos que estão na lista, segundo comunicado emitido pelo Conselho Europeu. Em outubro, os líderes da UE já haviam aplicado sanções a 40 funcionários bielorrussos, mas a lista ainda não incluía Lukashenko.

O presidente Alexander Lukashenko foi eleito pela sexta vez por eleições democráticas. Nos 26 anos de sua gestão ele mantém boa parte das estruturas do Estado soviético. Por isso é acusado pela imprensa capitalista internacional como “o último ditador da Europa” e ainda, como a “última república soviética”. Contudo, o que a imprensa capitalista não mostra são as ótimas condições socioeconômicas e democráticas em que vivem o povo bielorusso.

A Bielorrússia tem uma economia altamente estatizada, onde o Estado controla 80% da economia. Por exemplo, o setor público fornece 93% dos serviços médicos e 99,7% dos cidadãos são alfabetizados. A taxa de desemprego é uma das menores do mundo, onde mais da metade dos trabalhadores estão em empresas estatais, ou seja, possuem estabilidade no emprego. Pelo índice Gini, que avalia a distribuição de renda, a Bielorrússia é considerada um dos países menos desiguais do mundo. A população belorussa, composta em sua maioria por trabalhadores operários, é altamente politiza alcançando o patamar de 95% de sindicalização. Ademais, vale destacar que o Estado possui mais de 20 mil grupos sindicalizados e 15 partidos políticos. Essa situação política, econômica e social da Bielorrússia explica, por si só, o enorme apoio popular dado ao governo de Lukashenko, como visto pelo resultado das eleições. Como também, explica o porquê das tentativas de golpe imperialista na “última república soviética.

A política nacionalista levada adiante por Lukashenko representa um obstáculo para os capitalistas. Após as eleições de agosto desse ano que o reelegeram, a UE declarou não reconhecer Lukashenko como presidente da Bielorússia. O imperialismo na tentativa de derrubar Lukashenko, impulsionou a onda de manifestações em protesto ao resultado do processo eleitoral. Numa tentativa de golpe, apoiado pelos Estados Unidos, que alocou, nada menos que USS 20 milhões nas articulações que levaram a massa de manobra às ruas da Bielorrússia.

De tantas tentativas frustradas de desestabilizar o governo belarusso, visto por essas manobras de sabotagem interna e “revoluções coloridas”, o imperialismo apela para a asfixia econômica, por meio dessas sanções internacionais. Apesar do governo belarusso, ter como seu principal aliado o governo Putin, ao lado da Venezuela e Cuba, e vir ampliando suas relações econômicas e políticas com a China, Lukashenko precisa desarmar a quinta-coluna golpista infiltrada no país. Agora, diante desse ataque frontal do imperialismo contra a Bielorrússia, as organizações operárias e o partido comunista devem mobilizar suas bases para, nas ruas, defender sua autonomia nacional, garantir a sustentação do governo eleito democraticamente e derrotar a tentativa de golpe.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas