Imperialismo em derrocada
Alemanha e França, países imperialistas mergulhados na crise sanitária, tentam lidar com a recessão da economia, mas revelam a fragilidade do capital para dar a volta por cima.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
alemanha e frança
Alemanha e França diante da crise sanitária. |

A recessão oficializada na Alemanha e na França, os mais poderosos da União Europeia – UE, para os quais os outros países são obrigados a enviar suas riquezas, demonstra o tamanho da crise no bloco. Os analistas econômicos do mundo todo já falam em depressão econômica e isso é um indício dessa recessão. 

Indústrias paralisadas, comércio fechado, desemprego em massa. Não se questiona mais se haverá ou não uma recessão na UE, ela já é uma realidade por lá. Agora, o que se discute é como sair disso, quando se flexibilizarão as medidas de contenção da pandemia, e quanto tempo isso vai durar. Economistas prevêem que efeitos sejam sentidos por décadas, com mudanças no cenário macroeconômico.

Divulgada nesta quarta-feira (08/04), a avaliação intitulada “Economia em choque – política financeira resiste”, que serve de orientação para o governo alemão, alerta que a situação econômica da Alemanha ainda pode piorar.

De acordo com os maiores institutos econômicos da Alemanha, o Produto Interno Bruto (PIB) do país deverá encolher em 4,2% este ano devido à pandemia do coronavírus, e somente no segundo trimestre do ano, a economia deverá recuar 9,8% em decorrência das medidas de isolamento social.

Segundo os especialistas, medidas adicionais para conter o avanço da infecção pelo coronavírus Sars-Cov-2, causador da doença pulmonar covid-19, poderiam paralisar a produção por mais tempo do que o previsto ou mais amplamente, levando à  falência de empresas.

Economicamente, a Alemanha depende fortemente dos estados da Baviera, de Baden-Württemberg e da Renânia do Norte-Vestfália, os mais atingidos pela pandemia. Essas regiões sediam gigantes corporativas, como as montadoras Mercedes Benz, Porsche e BMW, além de empresas como a E.On, ThyssenKrupp e Allianz. Os três estados concentram dois terços dos cerca de 108 mil casos confirmados de infecção pelo coronavírus no país.

O desemprego já alcança quase 6%. O diretor de conjuntura do Ifo, Timo ollmershäuser afirma que: “A recessão deixa marcas profundas no mercado de trabalho e no orçamento do Estado”. E complementa dizendo que:  “No pico [da crise], a taxa de desemprego subirá para 5,9% este ano”, projeta o especialista, que diz também que o número de trabalhadores com jornada de trabalho reduzida (Kurzarbeiter, em alemão) deverá aumentar para 2,4 milhões. O programa de Kurzarbeit foi implementado na Alemanha para minimizar as demissões durante a crise de 2008. 

A França, por sua vez, já enfrenta uma recessão inédita causada pela epidemia do coronavírus. O PIB francês despencou 6% nos primeiros três meses do ano, o pior resultado trimestral desde o fim da Segunda Guerra Mundial, em 1945, segundo uma projeção do banco central francês. O desemprego temporário já atinge quase 6 milhões de trabalhadores, e a maioria dos setores da economia francesa está impactada pela crise.

Depois de analisar os dados de 8.500 empresas, o Banco da França estima que a atividade econômica no país caiu 32% nos últimos 15 dias do mês de março, período que coincide com o início do isolamento decretado pelo governo. O estudo, divulgado nesta quarta-feira (8), revela que a maioria dos setores está afetada pela medida, começando pela construção, comércio, transportes, hotelaria e restaurantes.

A França entrou na terça-feira na quarta semana de confinamento, o que deixou muitos setores econômicos totalmente paralisados. De acordo com o Instituto de Estatísticas da França, um mês de confinamento custaria ao país quase 3 pontos do PIB em um ano. Dois meses de confinamento custariam quase 6 pontos.

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, comunicou de Bruxelas, que os ministros das Finanças do bloco fracassaram na tentativa de chegar a um acordo sobre uma resposta econômica comum à pandemia de Covid-19. A unidade dos 27, nesta reunião do dia 08, confirma a tendência anterior de sua impossibilidade, uma vez  que continuam mostrando divergências, aparentemente irreconciliáveis, após o fracasso da cúpula de chefes de Estado e de Governo ocorrida em 26 de março.

A mutualização da dívida é, de fato, uma linha vermelha para Berlim e Haia, que se recusam a se comprometer com um empréstimo conjunto com Estados fortemente endividados, que consideram maus administradores. Para o ministro das Finanças da Holanda, Wopke Hoekstra, os “coronabônus” causariam mais problemas do que soluções para revitalizar a economia.

Ao que tudo indica, o coronavírus poderá redesenhar a zona de influências dos países imperialistas na economia mundial. Muito embora possa parecer que quem tiver um pouco mais de gordura para queimar possa se recuperar melhor da crise e se impor, o fato é que, com o aumento do desemprego no mundo, a crise do capital, já em estado terminal, mostrará mais a sua fragilidade e favorecerá, principalmente através dos países mais atingidos,  uma porta para um período absolutamente convulsionado, como já se avizinha.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas