Intervenção golpista
Intervenção da União Europeia em Belarus fere direitos democráticos e a soberania do país
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
MICHEL, Charles
Cupula se reuniu por videoconferência. | Foto: Olivier Hoslet/Pool via AFP

Nesta quarta (19), a União Europeia realizou uma cúpula extraordinária para discutir a situação política de Belarus. No último dia 9, o país do Leste Europeu reelegeu o nacionalista Alexandre Lukashenko para o seu sexto mandato como presidente. A oposição, liderada por Svatlana Tsikhanouskaya, alegou fraude nos resultados eleitorais e reivindicou nova eleições no País, pedindo também sanções da UE a Belarus.

Ainda na quarta, a União Europeia anunciou que não reconhece as eleições presidenciais em Belarus, anunciando também sanções contra autoridades em decorrência de repressões que protestos contra o resultado sofreram.

Importante aliada de Belarus, a Rússia, por meio de comunicado considerou “inaceitável” classifica a pressão internacional uma forma de intervenção na política interna do País. O presidente eleito de Belarus afirmou que a oposição formou um “conselho de transição”, o que classifica como uma tentativa de golpe no País. Como medida de proteção, ainda, o presidente anunciou o reforço militar na fronteira ocidental do País, com a Polônia. 

O presidente do conselho da UE, Charles Michel, em pronunciamento, afirmou que um dos motivos para as sanções é a repressão à manifestações contra o resultado eleitoral, quando manifestantes teriam sido feridos e presos pelas forças policiais de Belarus. 

Apesar da roupagem democrática, as medidas da União Europeia contra o país do Leste Europeu fazem parte de uma investida golpista, impulsionada por interesses políticos e econômicos do bloco europeu. Ao pressionar Belarus, a UE fere os princípios de soberania nacional; o País não faz parte do bloco que forma a União e, portanto, não deveria sofrer intervenções da mesma. Tal ato só reforça o controle imperialista sobre os países atrasados e a face antidemocrática do bloco.

O caráter golpista da UE mostra-se mais claro quando vemos duas medidas diferentes sobre casos de repressão: no ano passado, a Polícia e membros do Exército francês protagonizaram grandes casos de repressão ao movimento operário, tendo chegado, em apenas um dia, a prender mais de 5 mil manifestantes (segundo o Instituto Humanista Unisinos), cerca de 70% do número de pessoas que teriam sido detidas em 4 dias de protestos em Belarus segundo o próprio presidente da UE. 

Sobre o caso francês, que faz parte do bloco, a União Europeia absteve-se de comentar e nenhuma medida foi tomada. O fato revela que a repressão à população só serve para o bloco europeu para garantir seus interesses em um País, escancarando a intervenção golpista para derrubar um governo que não atende todos os interesses do imperialismo. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas