Socorrendo a burguesia
Após longa discussão, o valor acordado para salvar os capitalistas em meio a crise foi de mais de € 1,8 trilhão, o que equivale a R$11,4 trilhões, maior que o PIB brasileiro.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
15932623145ef740eae8daf_1593262314_3x2_lg (1)
União Europeia aprova pacote de mais de € 1,8 trilhão para salvar o capitalismo europeu. | Foto: Reuters

A crise do capitalismo está cada vez mais intensificada no mundo todo, para o desespero dos grandes capitalistas e a burguesia. Com isso, crescem os esforços para salvar a pele daqueles que apenas exploram a população trabalhadora e o Estado, com medidas que significam cada vez mais exploração da classe proletária e a manutenção dos lucros capitalistas mesmo diante da crise. O último episódio envolvendo esse tipo de medida foi a reunião do bloco da União Européia na última semana que decidiu quais rumos seriam tomados para “salvar” a economia européia após a pandemia.

O encontro entre os líderes dos 27 Estados-membros começou na última sexta-feira (17) em Bruxelas, e só foi chegado a um acordo na madrugada desta terça-feira (21). Após a longa discussão, o valor acordado para salvar os capitalistas em meio à crise foi de mais de € 1,8 trilhão, o que equivale a R$11,4 trilhões, maior que o valor alcançado pelo PIB brasileiro em 2019. Do montante, € 390 bilhões serão destinados a fundo perdido (ou seja, dinheiro dado que não precisa ser devolvido) e € 360 bilhões para empréstimos com juros mais baixos que os encontrados no mercado internacional. Os países que solicitarem os empréstimos terão 30 anos para quitar sua dívida, contando a partir de 2028.

Os valores astronômicos, maiores até que muitos PIBs de vários países do mundo demonstram o desespero da burguesia diante da crise, e a pandemia é utilizada frequentemente para justificar a exploração burguesa sobre o Estado e sobre os trabalhadores. A cada dia o número de trabalhadores prejudicados pelas medidas tomadas pela burguesia em meio à crise cresce ainda mais, o desemprego bate recorde no mundo todo, as estimativas de crescimento econômico não são animadoras e cresce também o número daqueles que estão na linha da pobreza e em situação de fome e vulnerabilidade alimentar. Muito se engana quem pensa que os números apresentados como a verdadeira salvação da economia européia vão beneficiar a vida dos trabalhadores, tudo não passa de um pretexto para que os lucros dos grandes capitalistas se mantenham e a classe trabalhadora continue pagando por uma dívida e crise que não é sua.

Enquanto os grandes capitalistas do mercado financeiro, dos bancos e das grandes empresas recebem o socorro do Estado burguês, os trabalhadores precisam lidar com demissões em massa, diminuição de salários, ambientes cada vez mais precários para se trabalhar e sendo obrigados a se sujeitarem a isso, afinal ou se trabalha nessas condições ou se passa fome, pois o Estado controlado pela burguesia também não oferece o amparo necessário para que os trabalhadores consigam viver dignamente, ou seja, enquanto os capitalistas recebem o “socorro”, os trabalhadores precisam aceitar o que tem para não morrerem de fome, isso quando a fome não chega, afinal nem todos terão a oportunidade de conseguir um emprego dentro do atual cenário mundial.

O estágio em que a crise do capitalismo se encontra só demonstra ainda mais como esse sistema é excludente, desigual e prejudicial à vida dos trabalhadores, e que a luta de classes está cada vez mais acirrada e polarizada no mundo todo, por mais que hajam esforços numa tentativa de conciliação de classes. O sistema capitalista e o Estado burguês só beneficiam uma pequena bolha dentro dos mais de 7 bilhões de habitantes do planeta. Um claro exemplo aconteceu recentemente, onde de um lado vemos milhões de pessoas no mundo todo passando fome, perdendo renda e emprego e mesmo em meio a uma crise sem precedente Jeff Bezos, proprietário da grande capitalista Amazon lucrou em apenas um dia U$13 bilhões.

As medidas adotadas por grandes nações imperialistas e pelo Estado burguês, independente de onde elas ocorram tem um claro objetivo, salvar os grandes capitalistas enquanto a classe operária recebe verdadeiras migalhas numa tentativa de evitar a convulsão social, que na verdade é inevitável. Somente com a construção e a luta por um governo operário os trabalhadores serão capazes de se livrarem de seus algozes e da sua exploração permanente, para que assim deixem de pagar pelas crises burguesas e consigam uma sociedade mais justa entre os trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas