Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
alx_2014-08-25t194339z_983130078_gm1ea8q0aa101_rtrmadp_3_ukraine-crisis-decree_original
|

Kiev, Prensa Latina:

Quase 90 por cento da população ucraniana mostra-se hoje inconformada com a gestão do Governo, uma notícia nada alentadora ao cumprir-se o quinto aniversário do início dos protestos violentos nesta capital (Euromaidan).
Quando apenas transcorreu um quinquênio dos referidos acontecimentos na praça da Independência (Maidan Nezelezhnaya), a população sai às ruas, paralisa estradas e apresenta demandas às autoridades em um ambiente similar ao de 2013.

Só que desta vez, consideram analistas, enfrentam um governo que chegou ao poder depois de manifestações violentas e um golpe de Estado com apoio de paramilitares neofascistas, que mantêm sua pressão sobre a sociedade ucraniana.

Por isso, ainda que baixem os salários, aumentem as tarifas do gás e outros serviços à população, assim como cresce a corrupção, ninguém espera aqui uma repetição das ações violentas de 2014 que tiveram direto respaldo de políticos e países ocidentais.

De acordo com uma pesquisa da empresa independente Sociopolis, 86,9 por cento dos entrevistados assinalou que os que estão agora no governo só trabalham em seu benefício e defendem seus próprios interesses.

Muitos recordam que o presidente ucraniano Piotro Poroshenko, ao assumir o poder em maio de 2014, prometeu sair de todos os seus negócios, inclusive de seu empório chocolateiro, embora na realidade tenha ocorrido tudo ao contrário, e durante seu governo obteve milhões de dólares adicionais.

Somente 4,8 por cento dos entrevistados considera que o Governo trabalha para o povo e defende seus interesses.

Cerca de 57 por cento dos consultados estima que o principal problema na Ucrânia é o conflito na zona hulhífera de Donbass, que inclui as autoproclamadas repúblicas de Donetsk e Lugansk.

Um segundo problema para os ucranianos é a corrupção (31,1 por cento) e um terceiro as altas tarifas dos serviços públicos (26,4 pontos) e em quarto o desemprego (25,1).

As eleições presidenciais ucranianas estão previstas para março do próximo ano. As pesquisas situam a ex-primeira ministra Yulia Timoshenko à frente da popularidade de possíveis candidatos, com 21 por cento, enquanto Poroshenko ocupa a quarta posição, com 10.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas