Turquia acusa diretamente EUA por massacre em Gaza

GAZZELI COCUKLARDAN BASBAKAN ERDOGAN'A SEVGI GOSTERISI

Após o assassinato de quase 60 manifestantes palestinos cometido hoje, 14, na Faixa de Gaza pelos capachos dos EUA, Israel, o porta-voz do governo da Turquia, Bekir Bozdag, se pronunciou contra o que classificou de massacre e acusou os Estados Unidos de terem total protagonismo em mais essa carnificina imperialista.

“O governo americano tem tanta responsabilidade neste massacre como o de Israel”, disse Bozdag, em discurso transmitido pela emissora turca “NTV”.

O porta-voz também afirmou que a Turquia nunca reconhecerá a mudança da embaixada americana de Tel Aviv para Jerusalém, cuja cerimônia oficial nesta segunda-feira motivou os protestos em Gaza, reprimidos a tiros pelo Exército fascista israelense.

“Façam o que façam EUA e Israel, tomem as medidas que tomem, a Turquia as considerará inexistentes”, disse Bozdag, ao acusar que essa mudança da embaixada americana “levará a mais tensão, falta de confiança, instabilidade, crises e confrontos”. “Jerusalém acabará sendo livre. Estados Unidos e Israel no final serão forçados a entregá-la aos seus verdadeiros donos”, acrescentou.

Para reafirmar a posição anti-imperialista, lembrando que o povo turco derrotou um golpe articulado pelos EUA a pouco tempo, e das últimas declarações em abril do presidente Erdogan, o Ministério das Relações Exteriores da Turquia também divulgou nota oficial que condena “de forma taxativa” a mudança da embaixada dos EUA, a qual assinala ser “nula de um ponto de vista jurídico”.

“Ressaltamos que esta mudança, que ignora os direitos legítimos dos povos palestinos, destrói a estabilidade, a segurança e a paz regional”, assinala pontualmente o comunicado, que lembra que a Assembleia das Nações Unidas já rejeitou “esta mudança ilegal” em dezembro do ano passado, o que mostra o caráter imperialista e nada democrático desses países que levam a guerra a todo o globo. O líder opositor do Partido Republicano do Povo (CHP, social-democrata) Kemal Kiliçdaroglu, pediu para que o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, cumpra a sua promessa, feita em dezembro, dezembro, de abrir uma embaixada turca para o Estado da Palestina em Jerusalém Oriental, uma ação que este diário considera acertada na defesa emergencial e suporte internacional aos palestinos.