A fraude e a censura avançam
Com base em pretextos fraudulentos e arbitrários, a direita e o judiciário golpista quer destruir a possibilidade de campanha por parte da esquerda
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
urna
Não terá eleições de fato | Foto: reprodução

Nessa sexta-feira (28) o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiu por unanimidade proibir transmissões ao vivo dos candidatos às prefeituras municipais e à vereança. A decisão partiu do TSE, passada antes pelo Ministério Público e protocolada pelo PSOL. O pretexto para a proibição é que, segundo a legislação antidemocrática, são proibidos os showmícios, e a consideração do judiciário é de que tais atividades virtuais seriam análogas. A proposta foi aprovada com muito ânimo por todo setor da burguesia.

Primeiro que a consideração do órgão “superior” da eleição já é antidemocrática por si só. Basta notar que não houve nem sequer uma discussão a respeito do quão absurda é a decisão, o que teve foi uma comparação muito mal feita, arbitrária, sobre “esta lei se apoia naquela lei” e pronto. A comparação com a lei que supostamente, com muita ênfase nesse suposto, “proíbe” os considerados showmícios é arbitrária, aberrante e ditatorial.

É preciso dizer, antes de qualquer coisa, que a própria proibição dos ditos showmícios já é uma arbitrariedade, pois a Judiciário não tem que se meter nos assuntos que são questão única e exclusivamente da organização da classe operária contra o patronato. Mas pior que a norma vigente anteriormente, que tentava sufocar os sindicatos, é assa releitura ditatorial: a proibição de lives dos candidatos em período eleitoral é um duro golpe na esquerda de conjunto. E precisa ser denunciado como tal.

Essa decisão não irá prejudicar a direita, porque ela aparece nos grandes canais de televisão. Coisa que a esquerda é excluída de participar desse debate público, dentro do ambiente que pertence a grandes famílias que conservam o privilégio de ter um monopólio de informação sobre o seu domínio. Como a internet é um espaço minimamente mais democrático, a direita quer adentrar com sua legislação censuradora dentro desse espaço, já que quanto maior o debate de ideias da esquerda na internet, maior a desestabilização de seu regime político golpista que se encontra em uma gigantesca crise. É aí que a censura é necessária para a direita, e na medida em que se aproximam as eleições anda em passos largos.

Nessas condições, a fraude se escancara e não há a menor possibilidade de uma vitória eleitoral da esquerda em nenhum sentido. Com esse cerco completamente fechado, com o avanço do golpismo, o ataque dos bolsonaristas na internet e fora dela demostra claramente que os ganhadores da fraude serão única e exclusivamente os candidatos da burguesia, do regime político, do golpe de Estado. Com manobras ditatoriais como essa, que impede o debate democrático, fica claro que essas eleições serão tal como as eleições da República Velha, na base do cabresto.

De forma que a única saída para a esquerda é uma saída na base da mobilização popular. Não existem eleições no Brasil, a esquerda não deve referendar essa farsa e deve, pelo contrário, denunciar o jogo que cartas marcadas que irá manter Bolsonaro e sua junta de militares no governo. É preciso sair às ruas por fora Bolsonaro, Eleições gerais já e principalmente lutar por uma unidade da esquerda em torno da candidatura de Lula, única força política capaz de mobilizar amplas massas contra o golpe de Estado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas