Novos ataques
As candidaturas do PCO em Recife (PE) e Campo Grande (MS) foram caçadas ilegalmente pelos tribunais eleitorais; é preciso denunciar essa ditadura e intensificar a campanha!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
urna-eletronica
O regime político golpista se encaminha para uma ditadura aberta | Foto: Reprodução

Ontem (23/10), mais duas candidaturas do Partido da Causa Operária foram caçadas pela ditadura dos tribunais eleitorais, representantes do Tribunal Superior Eleitoral nos municípios estados. Os companheiros Victor Assis e Thiago Assad, sendo candidatos respectivamente à prefeitura de Recife (capital de Pernambuco) e Campo Grande (capital do Mato Grosso do Sul) tiveram suas candidaturas indeferidas por motivos estritamente políticos, disfarçados de pretextos burocráticos. Tanto em um caso como no outro o pretexto apresentado foi a falta do CNPJ para a candidatura, um argumento totalmente falso para se retirar um direito político de um partido. Os dois novos casos acontecem em uma sucessão de candidaturas caçadas que o PCO vem sofrendo nas eleições municipais, como veremos no decorrer deste artigo.  

O judiciário golpista rasga os direitos políticos do PCO 

Os casos em que o TSE vem rasgando os direitos políticos do PCO não se resumem apenas às candidaturas de Recife (PE) e Campo Grande (MS) mas acontecem de norte a sul do País. Todos com o mesmo motivo, um pretexto burocrático da alta burocracia estatal. Em menos de uma semana, candidaturas no Piauí, como o caso da companheira Lourdes Mello em Teresina , uma conhecida candidata do partido em dezenas de eleições, foi também caçada; no Paraná, as candidaturas de Diogo Tadao e mais três vereadores, Priscila Ebara, Benedito e Francisco Jr. No Rio de Janeiro (capital), com o candidato a prefeito Henrique Simonard; e Barra Bonita (SP) com a candidata a vereadora pelo partido Izadora Dias e o candidato a vereador de Londrina (PR) Pedro Catelli. Todos esses casos tem como pretexto a falta de um CNPJ. E o candidato à prefeitura de Porto Alegre, companheiro Luiz Delvair,  o “problema” foi a não prestação de contas de sua candidatura em 2006 

Um problema burocrático, portando falso. E muito mal mascarado. O que há de mais aberrante, é que tanto o problema do CNPJ quanto a da própria prestação de contas é  um problema de ordem contábil, extremamente secundário e que em qualquer estado minimamente democrático não poderia indeferir ninguém. O problema da prestação das contas partidárias é ainda pior, é uma infiltração estatal nos partidos políticos, que devem ser, em tese, entidades políticas independentes do Estado. O candidato do partido não tinha nenhuma conta a prestar e mesmo assim a justiça ditatorial, que chamam de eleitoral, exigiu a prestação de contas. 

Em uma proporção numérica cada vez maior, dois casos em apenas um dia, mostra que a manobra do judiciário para caçar na prática os direitos políticos do PCO são conscientes e coordenados. A burguesia passou de uma fase em que simplesmente caluniava e tentava desmoralizar o Partido para uma fase de perseguição direta, por meio das instituições do regime.   

Em casos sim, outros não: dois pesos e duas medidas 

Ao mesmo tempo, em outros casos como Salvador e João Pessoa em que houve problemas, também, com o CNPJ, as candidaturas foram deferidos pela consideração de que o problema da documentação é um problema jurídico de segunda envergadura, sem relevância para o direito político de lançar ou não candidatos, evidenciando a perseguição política aos porta-vozes da política do PCO. 

É uma ilegalidade em si. Todos esses casos mostram como o judiciário está intervindo diretamente para colocar o PCO em uma virtual ilegalidade nas eleições. É uma proscrição do regime político durante as eleições em um ritmo acelerado, mostrando a preocupação da burguesia frente ao fator de desestabilização que representa a atuação de um partido operário, mesmo em eleições absolutamente controladas pelo regime político. 

O caso Maceió: a face visível do problema 

Um caso extremamente escandaloso da verdadeira ditadura que é o regime político golpista é a capital do estado de Alagoas,  Maceió, e nele reside toda causa política das outras perseguições mascaradas de “problemas técnicos”. No dia de registrar a candidatura, os militantes do PCO na cidade se dirigiram ao cartório, para realizar os trâmites burocráticos, impostos pela justiça eleitoral, para registrar a candidatura de Nina Tenório. No momento em que os funcionários do cartório perceberam que se tratava de um partido comunista,  foi impedido por bolsonaristas de realizar a inscrição de sua candidatura. A atitude, que é um escárnio contra os direitos políticos de um partido, evidenciam claramente o que acontece em todos os casos: existe uma perseguição política de cunho ideológico do regime golpista comandado pelo governo fraudulento de Bolsonaro.  

Esse caso é a experiência explicita, contundente, da verdadeira perseguição política contra os candidatos do PCO, que se disfarça em vários casos de um problema burocrático. 

Um jogo de cartas marcadas: fora Bolsonaro! Lula candidato! 

As eleições municipais, que são eleições praticamente iguais ao dos tempos da República Velha, uma eleição de cabresto e de fazendas, já eram antes de todos esses casos extremamente antidemocráticas. De norte a sul os ataques por parte do judiciário, do conluio da imprensa burguesa, se somam em um único objetivo e reforçam o que é uma gigantesca farsa. A burguesia, frente a ameaça que o PCO representa com sua política revolucionário de liquidação do regime golpista, lançando vinte porta vozes dessa política nas capitais do Brasil, demonstrnado um claro crescimento do partido, se viu ameaçada e passou para um período de ataques coordenados ao Partido.  

 O imperialismo, a burguesia nacional e o fascismo são inimigos do PCO tanto quanto o partido é inimigo desses carrascos dos trabalhadores. Os parasitas dos trabalhadores e todos seus algozes querem proscrever as palavras de ordem que podem varrer a dominação desses setores do país: o Fora Bolsonaro e o Lula Presidente –  Por um governo dos trabalhadores da cidade e do campo! 

Dentro e fora das eleições a burguesia ataca e quer proscrever o PCO. O Partido está recorrendo para reverter as decisões impostas pelo judiciário golpista, mas o fundamental  é intensificar as denúncias e a própria campanha eleitoral, não reconhecer nenhuma das decisões ditatoriais do judiciário golpista que quer salvar o governo genocida de Bolsonaro. Ir às ruas com os jornais e os panfletos que convocam a rebelião popular contra os golpistas, passar de casa em casa, defender energicamente e em todos os lugares as reinvindicações mais conscientes dos trabalhadores, todas elas expressas no programa do partido. É preciso fortalecer o partido operário e revolucionário,  mobilizar os trabalhadores por Fora Bolsonaro e todos os golpistas e Lula presidente!  

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas