Ditadura Judicial
As eleições de 2020 estão sendo organizadas para perseguir a esquerda e favorecer a direita.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
13mai2020---o-presidente-jair-bolsonaro-e-o-ministro-do-stf-luis-roberto-barroso-se-cumprimentam-usando-os-cotovelos-1589387926020_v2_1920x1279
Bolsonaro e Luís Roberto Barroso, presidente do TSE. | Foto: Marcos Corrêa/PR

A eleição de 2020 está sendo organizada de tal modo que se tornará uma das eleições mais antidemocráticas de todo o período da chamada redemocratização (do fim da ditadura militar até o presente momento). Uma legislação extremamente restritiva e persecutória dos candidatos e partidos, notadamente os de esquerda, que impede mesmo a campanha eleitoral, aliado a isso a utilização da pandemia para restringir ainda mais a propaganda política. Esse é o cenário cuidadosamente montado pela extrema-direita no poder e pela burguesa de conjunto para garantir a sua vitória eleitoral.

Um dos objetivos centrais de uma campanha eleitoral seria a promoção do debate em torno do programa político apresentado pelos partidos e candidatos, garantindo de maneira equânime o acesso da população a esses programas e a essas ideias políticas, para que possam avaliá-los.

No entanto, para o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), trata-se justamente do contrário; impedir que a população tenha contato equânime com esses programas, com essas ideias, ou melhor, impedir que tenha contato com determinados programas (os de esquerda e especialmente sua ala revolucionária) e garantir que tenham total contato com outros.

Esse é o espírito que animou as reformas eleitorais, como a cláusula de barreira, que retira um grande número de partidos do recebimento do fundo partidário e do horário eleitoral no rádio e TV, e que entram em vigor nas próximas eleições e que impõem verdadeira ditadura contra a campanha eleitoral.

Aos partidos, a maioria deles da esquerda, que estão fora do horário eleitoral e que não recebem o fundo partidário, criou-se, pelo TSE, uma barreira para que possam realizar atividade de arrecadação; segundo a Resolução Nº 23.607, qualquer atividade deste tipo deve ser notificada ao TSE com 5 dias de antecedência; manter documentação de custos e receita recebida, dentre outras medidas burocráticas e autoritárias e podendo um fiscal ir ao local “fiscalizar”. Ou seja, se ergue uma barreira burocrática que impede a atividade.

Também aos partidos excluídos do horário eleitoral na TV aberta, fora restringida a atividade na própria internet, o TSE, atendendo a uma solicitação de permissão do PSOL, informou que não pode fazer lives com artistas na internet, pois seria Showmício, apesar de ser na internet. A internet será cada vez mais censurada e controlada.

A legislação eleitoral organiza diretamente, também, um sistema ditatorial de perseguição e coação dos partidos e candidatos. Vejamos o Art 44 da mesma Resolução Nº 23.607, de 17 de Dezembro de 2019, que dispõe sobre a arrecadação e os gastos de recursos por partidos políticos e candidatos e sobre a prestação de contas nas eleições:

“Art. 44. A autoridade judicial pode, a qualquer momento, mediante provocação ou de ofício, determinar a realização de diligências para verificação da regularidade e efetiva realização dos gastos informados pelos partidos políticos ou candidatos.

§ 1º Para apuração da veracidade dos gastos eleitorais, a autoridade judicial, mediante provocação do Ministério Público ou de qualquer partido político, coligação ou candidato, pode determinar, em decisão fundamentada:

I – a apresentação de provas aptas pelos respectivos fornecedores para demonstrar a prestação de serviços ou a entrega dos bens contratados;

II – a realização de busca e apreensão, exibição de documentos e demais medidas antecipatórias de produção de prova admitidas pela legislação;

III – a quebra do sigilo bancário e fiscal do fornecedor e/ou de terceiros envolvidos.

§ 2º Independentemente da adoção das medidas previstas neste artigo, enquanto não apreciadas as contas finais do partido político ou do candidato, a autoridade judicial poderá intimá-lo a comprovar a realização dos gastos de campanha por meio de documentos e provas idôneas”.

É uma ditadura, o TSE que impor aos partidos, a sua militância como eles deves ou não gerir seus recursos, ainda mais, é um dispositivo político que está na legislação como meio de intimidação aos partidos, notadamente de esquerda, e de legalização da perseguição política. Por meio deste dispositivo os partidos serão perseguidos sob o véu do combate a alguma irregularidade nas contas de partidos ou candidatos.

É preciso denunciar essa eleição como uma farsa montada para que a direita ganhe, o papel da esquerda nela não é concorrer a cargos, mas denunciar a farsa e apontar a perspectiva da luta contra o golpe e bolsonarismo. É preciso propagar nas eleições a necessidade de unificar a esquerda e o povo sob a candidatura de ex-presidente Lula, único líder popular capaz de dar uma perspectiva eleitoral e principalmente de mobilização das massas para derrubar o golpe e o bolsonarismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas